New here? Register. ×
×

As saudáveis bicicletadas do Pedal Sonoro pela cidade

Escrito por Luiz Antonio Mello às 08:32 do dia 23 de março de 2019
Sobre: Duas rodas
23mar

Um grupo movimenta Niterói desde 2013. O coletivo “Pedal Sonoro” reúne dezenas de ciclistas em vários eventos, especialmente as divertidas “bicicletadas”, os passeios em grupo, como o que aconteceu domingo passado.

O coletivo se consolidou e hoje é o mais importe polo de cicloativismo em Niterói, sendo conhecido não apenas no Estado do Rio, mas em muitas regiões do Brasil.

Para aderir ao Pedal Sonoro basta comparecer de bicicleta, qualquer bicicleta, a um evento do coletivo. Só isso. Todos os detalhes estão neste link: https://pedalsonoro.com.br/ . Os eventos são divulgados também na página do Facebook: https://bit.ly/2HJlNJS

Conversei com o Luís Araújo, que no último domingo conduziu a “bicicletada” pedalando o super sistema de som da Praia de Icaraí até a Ponta d’Areia, seguido por dezenas de participantes.

Ele está empolgado com os novos programas que estão estreando na Rádio Pedal Sonoro, que mistura a cultura da bicicleta com boa música. Jazz, MPB, Rock, Blues, etc. Para ouvir agora é só clicar aqui: www.radio.pedalsonoro.com.br 

Muitos urbanistas renomados dizem que Niterói é uma cidade ideal para o uso da bicicleta, por ser compacta e de relevo suave.

Notaram como muita gente tem ido trabalhar de bicicleta, de manhã cedo? Principalmente pessoas que moram em Icaraí, São Francisco, Santa Rosa e tem acesso a ciclovias como a da avenida Roberto Silveira.

Vê-se mulheres e homens bem vestidos, pastas de trabalho no bagageiro da bicicleta, muitos indo pegar o catamarã para o Rio (pode-se levar a bike a bordo). Se a prefeitura quisesse poderia haver muito mais ciclistas.

O Pedal Sonoro promove a utilização da bicicleta como meio de transporte; colaborar para a sustentabilidade e mobilidade urbana das cidades; conscientizar os ciclistas a respeito de seus direitos e deveres.

Em sua apresentação, Pedal Sonoro destaca que “nossa principal ação é a organização de bicicletadas musicais temáticas, periódicas, que ocorrem, no mínimo, duas vezes ao mês. Desde 2013, realizamos mais de 80 bicicletadas com até 150 participantes a cada edição, reunindo ciclistas iniciantes e experientes, crianças, adultos e terceira idade de diversas classes sociais.”

A quantidade de ciclistas poderia ser muito maior se a prefeitura tivesse mais consideração, palavra mágica e, pelo visto, politicamente incorreta. Por exemplo, no último dia 16 o Pedal Sonoro enviou um e-mail para o programa Niterói de Bicicleta (criado pela prefeitura em 2013) solicitando a reposição de segregadores – tachões – que foram arrancados – ou sinalização vertical e horizontal na ciclovia da Roberto Silveira.

A resposta dos funcionários públicos* do Niterói de Bicicleta foi que o programa estava tentando conseguir dinheiro junto a secretarias da própria prefeitura para comprar material. Isso na semana em que foi anunciado em todo o país que Niterói arrecadou R$ 1,33 BILHÃO (!!!) de royalties do petróleo.

*Aqui, a definição de funcionário público: https://bit.ly/2TNRA3z

O criador do Niterói de Bicicleta é Axel Grael, secretário executivo, homem forte do prefeito, que conheço há mais de 30 anos quando fundamos o More – Movimento de Resistência Ecológica. Axel já era ambientalista e pelo que conheço do seu currículo presumo que ele não esteja bem informado sobre o que não está acontecendo no programa que criou e muito menos com o estado de (desculpe, Axel, mas a palavra é essa) esculacho que impera na cidade, onde o estado de conservação das ciclofaixas e ciclovias é lamentável e perigoso. Em muitas, nem a pintura da sinalização existe mais. E, lógico, isso prejudica o crescimento de adeptos do ciclismo.

O saudoso amigo Ricardo Boechat costumava dizer que “a frente das coisas há sempre um CPF, uma pessoa, gente. As instituições não são CNPJs, mas sim as pessoas, os CPFs que estão à frente”.

O “CPF” responsável pela política de mobilidade de Niterói via bicicleta é o Axel Grael. Ele é a imagem que está a frente do programa e, político escaldado, sabe disso. Por isso acredito que possa estar havendo, digamos, falha de comunicação entre ele e os seus comandados do Niterói de Bicicleta no que se refere a realidade da situação.

O sucesso e empenho do Pedal Sonoro mostram a importância da bicicleta nas cidades evoluídas do mundo de hoje, onde a valorização das pessoas e do meio ambiente é cada vez maior.

Niterói não pode ficar de fora.

 

       Algumas dicas

– Qual bicicleta – Com ou sem marchas, tamanhos variados de aros, custam, novas, de R$ 400 até milhares de reais.

Niterói dispõe de uma ótima rede de lojas especializadas e algumas vendem usadas. Sugiro que a compra seja feita em loja, com nota fiscal, recibo, tudo OK. Se não for de pessoa conhecida, fuja de bicicleta usada sem recibo, principalmente anunciada em sites de classificados. É grande a possibilidade de ser roubada.

– Pontos perigosos em Niterói – No início da Estrada Froes, na Praia de Icaraí, os carros entram em alta velocidade e a ciclofaixa fica do outro lado. O menos arriscado é descer da bicicleta e empurrar até a ciclofaixa.

Também na saída da Estrada Froes, em São Francisco, a situação é crítica. Veículos saem do túnel, em geral sem respeitar ninguém, e muitos invadem a ciclofaixa.

O site Tua Saúde sobre o que a bicicleta faz.

  1. Emagrece porque é um exercício que gasta cerca de 200 calorias em 30 minutos;
  2. Ansiedade e depressão – o exercício associado ao prazer proporcionado pela bicicleta – liberação de endorfina – é um importante auxiliar no combate a ansiedade e a depressão.
  3. Engrossa as pernas porque fortalece a musculatura, combate a celulite na região; melhora a circulação sanguínea nas pernas.
  4. Reforça o sistema imune, deixando o corpo mais resistente aos micro-organismos;
  5. Melhora a saúde do coração porque com o condicionamento físico o coração pode fazer menos esforço para bombear a mesma quantidade de sangue;
  6. Aumenta a capacidade respiratória porque promove a expansão dos pulmões, havendo maior oxigenação do sangue;
  7. Acelera o metabolismo, fazendo o indivíduo gastar mais calorias mesmo estando parado.

Para quem está muito acima do peso, andar de bicicleta é mais indicado do que caminhar ou correr porque há menos impacto sobre as articulações. Alguns cuidados:

. Usar capacete e instalar sinalizadores luminosos que piscam, vermelho na traseira e branco na dianteira. Modelos de led, recarregáveis por USB, com luz mais forte. Custam em média R$ 15,00.

. Ajustar o selim e o guidom na altura correta. O ideal é que, ao pedalar, os joelhos consigam ficar quase esticados e que seja possível pedalar com as costas eretas e não curvadas. Uma boa dica é ficar ao lado da bicicleta e ajustar o selim na mesma altura do quadril;

. Jamais andar na contramão.

. Começar devagar. Quem não está habituado a andar de bicicleta não deve pedalar por mais de meia hora para não forçar demais as pernas. Quando o corpo começar a se habituar ajustar a marcha para uma mais forte ou mudar o caminho, preferindo ruas com alguma subida;

. Ter uma garrafa de água ou de alguma bebida isotônica para beber enquanto anda de bicicleta;

. Ande sempre pela direita. Usar a faixa da direita é mais seguro, por ser a área destinada aos veículos em menor velocidade. Não se posicione muito no canto, senão os carros tentarão passar na mesma faixa em que você está, mesmo não havendo espaço para fazer isso em segurança. O Código de Trânsito obriga motoristas a passarem a 1,5m de você, mas a maioria ignora.

. Não escute música –  É preciso estar atento aos sons ao seu redor. Ambulâncias, carros de polícia, até mesmo outras pessoas te alertando de algum problema são os casos mais extremos.

Leia também:

Sharing is caring

Luiz Antonio Mello
Luiz Antonio Mello
Jornalista, radialista e escritor, fundador da rádio Fluminense FM (A Maldita). Trabalhou na Rádio e no Jornal do Brasil, no Pasquim, Movimento, Estadão e O Fluminense, além das rádios Manchete e Band News. É consultor e produtor da Rádio Cult FM. Profissional eclético e autor de vários livros sobre a história do rádio e do rock and roll.
|
Menu