New here? Register. ×
×

O drama das árvores em Niterói

Escrito por Luiz Antonio Mello às 08:40 do dia 18 de agosto de 2018
Sobre: Arboricídio
18ago

Cresce cada vez mais a indignação. O abate sistemático de árvores feito pelos órgãos públicos de Niterói tem provocado muitas manifestações na internet. Este ano o número de vítimas passou de 400.

Por isso, está cada vez mais acessada a página que o analista de sistemas Adriano Mattos criou no Facebook. Chama-se “Salvem as Árvores de Niterói” e já conta com quase 2.800 membros que fotografam, comentam, reclamam de cortes de árvores, desmatamento e outras insanidades ambientais.

Para acessar e participar é só clicar aqui: https://www.facebook.com/groups/639328812851018/ . Fotos com antes e depois mostram o “sumiço” de muitas árvores pela cidade, a maioria cortada pelas autoridades que a condenaram por acharem que apresentam risco ao cidadão ou que no passado foram plantadas equivocadamente “em conflito com o mobiliário urbano” (???). Serram árvores frondosas e plantam mudas com dois palmos de altura, que só vão virar árvores daqui a 20 anos. Daí a já visível e sentida falta de sombras na cidade.

Se as pessoas olhassem menos para os seus smartphones e mais para a cidade iriam pensar no impacto da falta das árvores na qualidade de vida, a começar pelas secas. Um bom comparativo é o bairro de Itacoatiara, ainda arborizado, onde a temperatura é, em média, de dois a três graus abaixo da de Icaraí, bairro de cimento, concreto, ferro, savana de asfalto.

Na página “Salvem as Árvores de Niterói” colhi alguns comentários de internautas. Não publico seus nomes porque não tenho autorização, mas as opiniões, com os autores, estão na página.

Nos últimos cinco anos, a Prefeitura de Niterói já plantou mais de 50 mil mudas em diversos bairros da cidade. Eu, idiota estou olhando para as ruas. Devem estar em cima dos prédios. (…) Se tivessem plantado 50 mil árvores não ia ter mais asfalto. Ia ter musgo e limo nas ruas. Já são 800 suprimidas e é notório a diferença na cidade. Imagina com 50 mil árvores.

— Mais uma pseudo justificativa da Prefeitura, que acabei de receber: “Oi Angela, boa tarde. As equipes da seconser realizam podas de harmonização (para harmonizar a copa das árvores) e/ou desobstrução de luminárias, semáforos e placas. Toda a ação é acompanhada pelo biólogo responsável (o qual ela conhece muito bem) e tem sempre como objetivo principal a preservação da árvore. Também é importante ressaltar que a arborização urbana de Niterói foi implementada de forma inadequada, com espécies que apresentam diversos conflitos com o mobiliário urbano. Aos poucos, através do projeto verdes notáveis, a prefeitura vem arborizando a cidade com espécies adequadas , nativas da mata atlântica, para evitar este conflito no futuro. Muitas delas já floresceram e podem ser vistas em locais como São Francisco, Pendotiba, Icaraí, Fonseca, etc.
Abraços.”

— As árvores que vi podarem esta semana em Icaraí não tiveram esse critério, pelo contrário, algumas ficaram desestruturadas e não harmonizados.

— Massacre da Serra Elétrica na Região Oceânica. Completa devastação sem nenhum replantio.

— Impressionante. Árvores frondosas ou pequenas, antigas ou jovens indiscriminadamente sacrificadas. Inadmissível não termos uma justificativa ao menos plausível do órgão competente. Qual seria o real objetivo dessa ‘matança’? Com certeza o replantio vai ter um custo, assim como tem custo eliminar essas espécies.

— Eu tenho feito há alguns anos, um trabalho silencioso, plantando mudas de árvores em alguns lugares da cidade. Já plantei mais de 30 mudas na Praça Dom Orione, por exemplo, muitas delas, frutíferas.

— Achei interessante que pegaram fotos de todos os bairros mostrando que o problema é geral, não apenas na Zona Sul. Tiram a árvore de um local, dizem que replantam outras 6, só que fazem isso em outro bairro criando regiões arborizadas e outras “concretadas”.

— Não estou contra politico ou funcionário nenhum, mas esse corte de arvores está exagerado e penso que seja uma filosofia equivocada de jardinagem e embelezamento da cidade. É comum hoje em dia ouvir dizer que arvore faz sujeira, muita sombra e escuridão, que elas são problema e não solução.

— Ontem recebi mensagem da prefeitura, via messenger, com as mesmas justificativas esfarrapadas para o assassinato de inúmeras árvores na cidade.. Acham que os cidadãos são cegos ou ignorantes? Certamente estão incomodados com esse desvelar que o “o rei está nu”, ainda mais em ano eleitoral. Quem sabe comecem a replantar no mesmo local onde motoserraram, com espécies que deem sombra e não frágeis arbustos, retirem o excesso de postes por m2, e desengavetem o cabeamento subterrâneo.

— Modéstia às favas, não fosse o trabalho (voluntário) dessa gente brasileira, os crimes praticados (há anos) contra as árvores de Niterói não teriam vindo à publico com essa força toda. As pesquisas e as postagens de fotos das árvores mutiladas deram um impulso às ações do Grupo. E levaram a TV Globo a pautar uma reportagem que acabou provocando reações da autoridade municipal. Não cito nomes, em respeito aos próprios protagonistas. Mas não me isento em louvar os esforços do nosso inteligente pesquisador e “editor de arte” e das nossas “repórteres e comentaristas”. A eles, o reconhecimento da nossa sociedade. Parabéns!

Sharing is caring

Luiz Antonio Mello
Luiz Antonio Mello
Jornalista, radialista e escritor, fundador da rádio Fluminense FM (A Maldita). Trabalhou na Rádio e no Jornal do Brasil, no Pasquim, Movimento, Estadão e O Fluminense, além das rádios Manchete e Band News. É consultor e produtor da Rádio Cult FM. Profissional eclético e autor de vários livros sobre a história do rádio e do rock and roll.
|

4 thoughts on “O drama das árvores em Niterói

  1. Fale tb da CRACOLÂNDIA DE CRIANÇAS DA RUA JOAQUIM TÁVORA E SOBRE OS DROGATAXISTAS DA MESMA RUA. O ECA é jogado no lixo por essa prefeitura.

  2. O texto do Luiz Antonino Mello é oportuno. Mostra o que está acontecendo com relação a supressão de árvores em Niterói, a cargo da prefeitura e da Enel (ex- Ampla), cujos dirigentes não têm nenhum compromisso com a preservação do ambiente. E destaca o
    o trabalho do grupo “Salvem as Árvores de Niterói”, criado, há nos, por pessoas que gostam e respeitam as árvores. Os mesmos voluntários são responsáveis pelo “Em defesa do Campo de São Bento”, cujo objetivo é lutar pela recuperação do jardim público. Se Luiz Antonio acrescentasse que os trabalhos indesejáveis são feitos por empresas particulares, contratadas – as vezes, sem licitação – não seria excesso. A Enel não é obrigada a fazer licitação, mas a prefeitura é. O mal exemplo já está sendo copiado por empreiteiros que, também, passaram a eliminar espécies urbanas, para facilitar o acesso de pessoas e carros aos estabelecimentos em fase de construção ou reforma..

Comments are closed.

Menu