New here? Register. ×
×

O colapso da ordem pública em Niterói

Escrito por Luiz Antonio Mello às 08:20 do dia 4 de maio de 2019
Sobre: Dono da rua
04maio
“Se pudesse decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último.” Thomas Jefferson – presidente dos EUA entre 1801 e 1809.

Foi assim. No final da tarde de segunda-feira três pessoas com carregamentos chegaram a rua Pereira da Silva, quase esquina com Tavares de Macedo, em Icaraí, em frente a Drogaria Pacheco. Calmamente começaram a montar um botequim no meio da calçada, na frente de todo mundo, uma estrutura gigante que lembra os quiosques-lambança da praia de Icaraí.

Aos moradores revoltados, que pagam um dos mais caros IPTUs do país, eles diziam que tinham uma tal “autorização verbal (?)” da prefeitura e inauguraram estabelecimento para horror de muitos, inclusive de duas funcionárias do Ministério Público que, discretamente, fotografavam e colhiam informações.

Um acinte, um tapa na cara dos contribuintes já esfaqueados por impostos, taxas, tributos que sustentam uma gigantesca guarda municipal com quase 600 pessoas, fora chefias, coordenações, aspones. O container de cabides de empregos da prefeitura é gigantesco. Entre secretarias, empresas, institutos, coordenadorias, núcleos, programas, são 60 instituições. Isso mesmo, 60 cabides de emprego que, em tese, garantem afagos políticos, maioria na Câmara dos Vereadores, o popular bundalelê.

Claro que tem gente que rala muito na prefeitura, mas na maioria desses 60 poleiros o ambiente é de colmeia, metade voa outra metade faz cera. Por exemplo, o que faz a milionária Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos com a cidade tomada de miseráveis? E a Coordenadoria Especial de Direitos dos Animais, a Programa Niterói de Bicicleta, a Coordenadoria da Juventude? Visite o cabideiro acessando https://bit.ly/2Hs6Q0f

O botequim aberto na calçada da Pereira da Silva junta-se ao exemplo de um bar que, há tempos, resolveu tomar para si a calçada (pouco mais larga que o meio fio) na esquina de Gavião Peixoto com Pereira da Silva, onde os pedestres tem que andar pela rua, cheia de ônibus. O bar bota mesinhas altas na calçada ode seus fregueses bebem e comem petiscos sem serem incomodados. O povo? Dane-se.

Ano que vem tem eleição para prefeito e vereador e o que leio a respeito nas redes sociais está cheio de fúria e indignação. Vai ganhar aquele que conseguir conter a destruição de Niterói.

Um giro por Icaraí, o bairro mais rico, populoso, maior reduto eleitoral da cidade, amostra a essência do colapso na ordem pública. Os flanelinhas venceram e se tornaram donos das ruas. Vindos de outras cidades, especialmente Baixada Fluminense se apossaram de tudo graças a omissão da prefeitura e de sua desprezível Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, comandada pelo PT. Eles alugam espaço público, reservam vagas “pré pagas” para “clientes preferenciais”, fazem o que bem entendem.

Os guardas municipais, mais raros do que mico leão dourado na rua da Conceição, quando aparecem fazem olhar de paisagem. Alegam que a sua missão é cuidar do patrimônio, tomar conta de hidrante, conter fuga de estátuas, monitorar desabamento de poste. Sempre pensei que o ser humano é o mais valioso patrimônio público, mas aqui não é.

Se em Icaraí, maior bairro gerador de impostos, considerado picanha eleitoral, a situação está assim, imaginem em São Francisco, Santa Rosa, Ingá, Fonseca, Barreto, e na “roça”, apelido (no mau sentido) da Região Oceânica onde tudo falta: luz, esgoto, asfalto, política ambiental, respeito. A R.O. coleciona absurdos como a existência de um “hospital”, Mário Monteiro, em cuja emergência não há cardiologista. Na “roça” a luz é a primeira a faltar e, com qualquer chuvinha, a internet a primeira a cair, os telefones ficam mudos, as ruas viram canais. Tudo com um adendo: o avanço do tráfico, violência, e construções irregulares em favelas como da Ciclovia, Jacaré e muitas outras que aos poucos estão sitiando a região.

O Centro da cidade e a avenida Amaral Peixoto (que vergonha!) merecem matérias a parte, que farei.

Esta semana postei uma enquete na minha página do Facebook. Vamos a ela:

“O que se comenta é que esses são os nomes que podem ser os candidatos do prefeito Rodrigo Neves:

– Giovanna Victer, secretária de fazenda.

– Paulo Bagueira, secretário executivo do prefeito.

– Axel Grael, secretário de planejamento e orçamento.

Na sua opinião o candidato do prefeito:

– vai ganhar a eleição.

– não tem a menor chance de vencer.

Dezenas de pessoas responderam que não há chance deles serem eleitos. Exemplos (omiti os nomes, mas a enquete está lá https://bit.ly/2POvLfb  

– Vão tomar uma surra nas urnas.

– Já chega desta gestão aí… não tenho mais expectativa alguma!

– Quem esse bosta apoiar eu voto contrário.

– Nem pensar em votar sujo.

–  Nos corredores da política, dizem que a preferência do Prefeito é a Giovanna Victer.

– Não conheço, nem eu nem o povão. Soube que é uma excelente técnica, mas não política.. mas, quem sabe. O povo hoje não aceita votar por indicação, quer conhecer, saber o que fez, o que fará…

– Não tem a menor chance.

– Conte Bittencourt não está como secretário de governo à toa, candidatíssimo a prefeito, com certeza fez acordo com o Rodrigo ao assumir o cargo e o Rodrigo o apoiará!

– Se os votos forem FACULTADOS com SERIEDADE, SEM CHANCES. E se COMPRAREM os votos, ganha quem tiver mais GRANA! FATO. Sem mais.

– Até a conge (como diz Moro) do atual prefeito é sugerida como candidata, enquanto tem gente confundindo Denise com Dayse. Numa hora dessas, queria não ser Ateu, para pedir a Deus que proteja os brasileiros.

– Socorro, NENHUM !

– Acho que a onda conservadora ainda não atingiu seu ápice, e independente do candidato escolhido pelo Never, a derrota é certa…

– Espero que não. Senão, o processo de destruição da cidade vai continuar. Visões completamente ultrapassadas de ocupação do solo e de urbanismo.

                                          ###

#  O Trade Center é um shopping tradicional em Icaraí, mas vacila, como vacila. O sinal do celular não pega nos corredores das lojas, os elevadores mal projetados não suportam a quantidade de pessoas e na calçada é o único da cidade que não possui bicicletário. O problema do elevador dá para resolver porque o Shopping Icaraí solucionou, agora economizar com sinal de celular (mesmo 3G e 4G) é uma tolice que só afasta clientes que gostam de fazer um lanche, tomar um café, conectados à internet. E quanto ao bicicletário diz a lenda que é só pedir a prefeitura que ela coloca, de graça.

# Lançada terça-feira uma nova rádio, em Niterói. Transmitindo do Engenho do Mato para todo o planeta a Brotherock, que pertence ao especialista em rock (especialmente anos 50 e 60), colecionador e pesquisador André Borges. Para ouvir é só clicar aqui: http://www.brotherock.com/

# Luis Antonio Sabino, o “comandante” Neno, está fazendo passeios de barco pelos mais belos pontos da Baia de Guanabara e também em alto mar. Experiente, os telefones dele para agendamento é (21)99882-8075 e (21)97964-8075.

# Por enquanto não está nos planos das empresas que fazem compartilhamentos de bicicletas elétricas e patinetes atuar em Niterói.

# Wilson Witzel, governador, ignora Niterói. Declaradamente.

# Impressionante o desprezo da Enel com os consumidores de Niterói. Mais impressionante ainda é a prefeitura não interceder pela cidade, chamar a Enel as falas, apesar do assunto ser de competência federal.

Sharing is caring

Luiz Antonio Mello
Luiz Antonio Mello
Jornalista, radialista e escritor, fundador da rádio Fluminense FM (A Maldita). Trabalhou na Rádio e no Jornal do Brasil, no Pasquim, Movimento, Estadão e O Fluminense, além das rádios Manchete e Band News. É consultor e produtor da Rádio Cult FM. Profissional eclético e autor de vários livros sobre a história do rádio e do rock and roll.
|

31 thoughts on “O colapso da ordem pública em Niterói

  1. O maior anarquista da ordem publica , sempre foi o poder publico municipal e não me refiro somente ao atual e sim a todos !!!! Moro na Região Oceânica , na minha esquina uma creche de 60 crianças e distante dela uma academia de ginastica de 400 alunos , em ambos os casos sem garagem para um único carro . Os pequenos e médios Shopping daqui as vagas existentes são exatamente a dos números de unidades privadas , como é um bairro horizontal , seus proprietários ocupam as vagas , não restando sequer uma para clientes !!!! E ai aparece o poder publico e TOME REBOQUE !!!! Mais quem deu a licença de construção e funcionamento ????
    As bancas de jornais autorizadas pela prefeitura ( de todos os governos ) são ” plantadas ” nas esquinas , obrigando os motoristas colocarem meio carro na pista principal !!!!

    No tal Jardim Icaraí as calçadas são literalmente tomadas por mesas e cadeiras das dezenas de bares e restaurantes , obrigando as pessoas transitarem por ruas movimentadas !!!

    SEM SE FALAR NAS INSEGURANÇAS DOS RESTAURANTES DE 40 A 100 MESAS SEM PORTAS DE EMERGÊNCIAS E ESCAPE PARA UM MOMENTO DE PÂNICO , se restringindo as famosas portas de 1,20 de entrada e saída , culpa da prefeitura e do Corpo de Bombeiro .

  2. A UFF e demais Universidades Federais que deverão sofrer cortes em seus respectivos orçamentos, deverão, igualmente, olharem para seus umbigos e concluírem que a gestão deverá ser revista. e, sobretudo, racionalizada em função de um novo contexto econômico. É necessário acabar com a ineficiência e desperdício!

  3. E o que falar da Cracolândia formada no final da Rua Joaquim Távora? Todas as idades. Mocinhas grávidas com seus filhos pendurados até uma senhorinha. Muito triste. Já fui xingada e ameaçada por oferecer um pacote de biscoitos ao invés de dar os R$2,00 que mendigavam em meio ao engarrafamento para chegarmos ao túnel.

  4. Estou bem descontente com a administração do atual prefeito, mas achei essa uma decisão acertada; sou comerciante local, fato é que o lugar antes um elefante branco que mais parecia ponto de encontro de desocupados, agora está mais claro e movimentado, principalmente após as portas da Pacheco fecharem, momento esse que o local mas parecia um cemitério.
    Já a barraca não é uma unidade qualquer, deve existir recomendações da prefeitura, pois nunca ví nada tão limpo e organizado em barraca de rua.

  5. Muitas falacias e colocações claramente auto-beneficiárias e políticas. Mas isolando a questão da carretinha de pastel e churrasco na Pereira da Silva, essa foi uma atitude muito acertada da prefeitura, como morador que sou, posso dizer melhor do que ninguém que o local que vivia deserto e com um histórico acentuado de assaltos, passou a ficar mais movimentado e com isso menos propício a atuação dos bandidos, sem contar o alto padrão de qualidade e higiene por parte da mesma. Eu adorei!!!

  6. As quantidades de prédios construídos nesse governo é espantoso. Niterói, de cara, é uma cidade pequena, não comporta esse mundo de gente (de fora) e com eles a quantidade de veículos. Não houve planejamento, a ordem é aumentar a arrecadação de impostos e a cidade virar o caos absoluto. Mas, a prefeitura com os cofres sempre vazios para as medidas necessárias. E o prefeito e seus séquitos com a “burra cheia”. Aqui no Barreto, onde está a “casinha” da Guarda Municipal o lema é: CASA DE FERREIRO ESPETO DE PAU”. Os absurdos acontecem na cara e todos se fazem de cegos.
    Está muito difícil.

  7. Confesso ter ficado impressionada com a péssima qualidade da matéria: tendenciosa e mal escrita.
    Você fala de povo em seu texto mas o povo está sentado na barraquinha em frente à Pacheco tomando uma gelada, o povo está vendendo churrasquinho na esquina porque está desempregado e precisa trabalhar.
    Você fala de povo mas ataca a Baixada Fluminense em tom descaradamente preconceituoso ao associar moradores da região à máfia dos flanelinhas ( existente em todo o planeta!).
    Os ditos cidadãos de bem de Icaraí, representantes da família tradicional brasileira, não passam de criaturas patéticas que desejam habitar em uma espécie de bolha mágica onde não haja pretos, pobres ou miséria. Batem panela e espumam de ódio quando escutam funk ou se deparam com algum mendigo pedindo esmola.
    Criaturas patéticas… Assim como você e seu lixo de matéria.

  8. Se três pessoas desembarcam mobiliário e montam um boteco na calçada e as pessoas (que são o próprio povo) sentam para beber e comer, são todos coniventes com a baderna. São todos agentes da tal falta de ordem. Enquanto dependermos de guarda, polícia e governante para fazermos o que é certo, não teremos cidade e povo evoluído. A ordem vem de cada um fazer o que é certo e não descansar e usufruir achando que a culpa do que está errado é sempre do outro.

  9. Desejo um bom dia,um ótimo domingo a todos.Realmente em Niterói todos locais citados necessitam urgência nas providências pelos responsáveis e no bairro Fonseca já não creio em melhorias,é ciente pelos responsáveis os setores que a população de bem e contribuinte de todos impostos precisam urgente de atenção mas quando chega nunca é corretamente exercido e nada melhora.Nasci no Fonseca e hoje uma idosa decepcionada,afinal a luta p se viver e ter uma vida digna,feliz,com segurança etc.etc não tenho mais esperança…Até minha saúde está bastante afetada por conta da violência q sempre ronda nossa vida e de todos q amamos como uma sombra.Decidi sair de Niterói mas infelizmente encontro algumas dificuldades mas sei q nada nesta vida é fácil e o divino espírito santo de Deus é o Deus das causas impossiveis e minha fé é alimentada por este ser divino,q basta seu nome pronunciado e alcançarei a vitoria…não desisto da luta e vou vencer 💖

  10. Nas favelas, isso acontece o tempo todo! Vá á Santa Rosa, Entrada do sapê, Igrejinha e canta galo…
    Ops, mas lá não sai no jornal…
    Quando vejo Icaraí pedido segurança, quando vejo Ingá pedindo ordem pública e querendo apoio, percebo que é aquela velha politica burguesa de que no “cú dos outros é refresco”. Nem tudo que é dito por um sábio é sabedoria! O que os bairros nobre de niteroi sofrem hoje, os bairros pobres vêem como marolinha…tem lugar que se morre e se mata…Ops, mas lá não se paga IPTU ( tributo cuja natureza não se vincula a contrapartida).

    1. Gilson
      Você esqueceu do bar que tem na Tavares de Macedo , entre a Álvares de Azevedo e Pereira da Silva , mais conhecido como “ CEROL “ , que colocam cadeiras na sua porta , fechando toda a calçada e na medida que o comércio vai fechando , em direção à Rua Álvares de Azevedo, eles vão colocando mesa , nas calçadas .
      Fim de semana, dia de jogo do Flamengo é um inferno.
      E ninguém toma providência!
      Um verdadeiro absurdo , fim de semana, às famílias que moram ao redor , querem descansar .

  11. Excelente e oportuna matéria, que descreve com perfeição a situação que nossa cidade vive mergulhada, e o cidadão pagante de altíssimos impostos atolado até o pescoço! Sem falar nos bailes funks que desrespeitam o sossego e desafiam a paciência dos moradores de bem, que trabalham e ficam privado do seu merecido descanso, devido ao barulho infernal que esse som produz. Há tempos observo tudo isso que a matéria descreve, situações que só fazem crescer a nossa revolta com tanto descaso com a ordem e a segurança pública. Espero que, nas próximas eleições, tenhamos outros nomes, para fazer frente a essa gente que só tem destruído nossa linda cidade.

    1. O que é um cidadão de bem, o cara pálida? Niterói tá sendo destruída há anos e agora que chegou à ZS vcs acham um absurdo? Dizer que o baile funk atrapalha o sossego de vcs é piada, e a falta de luz, a falta de transporte público de qualidade, de segurança, saúde, saneamento básico na periferia da cidade não atrapalha o sossego de vocês, não né?! Claro que não, afinal, dane-se os bairros menos nobres, desde que Icaraí esteja bem. E ainda vem dizer cidadão de bem. Tá mais para hipócrita pq de bem vcs não têm nada mesmo.

  12. Meu caro, provavelmente o candidato a ser lançado venha ser Maria Célia, ( séc. De saúde) além de que as policlínicas estão sobrecarregadas com os encaminhamentos dos médicos de família.

  13. Amigo esqueceu de falar do trânsito com com os caoticos carros de aplicativo esses sim vem de outros municípios fazendo uma zona diaria na cidade

  14. Belo texto. Rodrigo Neves dormiu em algum momento da gestão. Ele tinha tudo para acertar e derrapou. Feio.

    As opções para a prefeitura são assustadoras.

    As ciclovias não exitem. Não há fiscalização dos carros q estacionam por sobre a mesma. Não há asfalto decente. Não há sinalização. Não há um projeto continuo e conectado de ciclovia em uma cidade que poderia ter a bicicleta como seu maior meio de micro deslocamento.

    Não há serviço social. Há mendigos e pedintes. O Ingá tem sua praia sempre com população de rua morando e fazendo as areia de banheiro.

    Segurança? Esse engodo da PM fazendo hora extra nesse programa de segurança que é só exibicionismo. Vide os assaltos nas ruas. A PM com hora marcada para entrar e sair. E haja whatsapp..

    A R.O sitiada é outra questão. As favelas surgindo sem a menor preocupação do poder público.

    Estamos navegando sem capitão.

    1. Se alguém me disser o q faz a Secretaria de Ordem Pública…com um secretário chamado Gustavo (????),pois aqui tb , Moreira César,esquina com a Mariz e Barros ,junto à loja Óticas Carol,há um boteco q tomou a calçada com mesas e cadeiras,abri processo na Seop qfunciona(????), no Barreto , há mais de um ano e a bagunça continua, inclusive pela madrugada

  15. A montanha de dinheiro que a prefeitura recebe de royalties de petróleo. Para onde será que vai ? Com certeza não é para assistência social.

  16. O senhor esqueceu de falar que a Prefeitura ainda banca um Projeto do Estado,o Niterói Mais Seguro.Um projeto que até apresenta bons resultados,mas é correto o contribuinte pagar duas vezes para ter aumento na segurança????A Prefeitura paga pms de folga para patrulhar alguns bairros,poucos.

  17. Steve Bannon escreveu essa matéria??

    Uma sequência sórdida de falácias, com o intuito aparentemente exclusivo de falar mal de uma administração elogiada nacionalmente, cuja cidade possui o melhor IDH do país, eleita pela terceira vez consecutiva como a cidade mais desejada para se morar e para se investir no mercado imobiliário. Uma cidade que tem o orgulho de ser citada nos painéis do Museu do Amanhã como um município que trata 91% do seu esgoto (e que passará a tratar 98% com a inauguração da estação de tratamento no Sapê), enquanto os demais municípios ao redor tratam em média de 15 a 25% apenas.

    Destaco ainda em seu texto o teor preconceituoso, ao referir-se aos “flanelinhas” afirmando que são oriundos da Baixada Fluminense. Acaso o senhor realizou alguma pesquisa etnográfica com essas pessoas, de modo a embasar essa afirmação??
    Ou por acaso os municípios da Baixada começaram a exportar flanelinhas e a Prefeitura de Niterói decidiu licitar para atuarem aqui e nós não estamos sabendo?

    A atuação dos flanelinhas, percebida por qualquer um de nós, ocorre a partir dos horários em que os funcionários do parkeamento já encerraram suas atividades.
    Ao que parece, o senhor não deve ter andado por outras cidades do PAÍS, para perceber que em TODAS, há presença (às vezes inescrupulosa) dos famosos flanelinhas, tratando isto como uma situação apenas local em seu texto.

    Ruma ao descaramento ao associar a presença e atuação dos flanelinhas à suposta ineficiência da Secretaria de Assistência Social, na tentativa de reforçar a ideia anteriormente semeada de que são pessoas marginalizadas oriundas da Baixada Fluminense.
    No entanto, tal descaramento parece atingir o ápice (a famosa “mitada”) quando finaliza o trecho associando a referida Secretaria a um certo partido político, considerando que atualmente “chutar cachorro morto” ainda gera bastante ressonância, curtidas, compartilhamentos sem análise pelo cérebro, apenas pelo fígado.

    Na verdade parece que nem mesmo aqui por Niterói o senhor tem andado efetivamente, de modo a falar da Região Oceânica com tamanha inobservância.
    Como morador da R.O. não me senti contemplado por suas afirmações, ao ponto de considera-las levianas.

    Não sou político, não sou servidor municipal, não sou representante de partido político, não sou amigo do prefeito ou de qualquer vereador, e abomino com veemência esse tipo de jogo sujo e baixo feito por pessoas como o senhor, cujos interesses parecem bastante claros, pelo menos para mim que não nasci ontem e procuro manter minha mente sã e capaz de pensar por conta própria.

    Encerro meu “breve” comentário por aqui, na expectativa de que o senhor tenha coragem suficiente para mantê-lo público, assim como teve para escrever e publicar seu texto.
    Caso lhe falte, farei eu mesmo.

  18. Engraçado é que quando as coisas acontecem em bairros de ricos, há sempre alguém para protestar. A realidade é que nos bairros mais pobres, isso é muito comum. Mas ninguém se manifesta.

    1. Na minha opinião e melhor as pessoas trabalhar do que roubar .. quanto mais pessoas trabalhando pelo menos diminui os roubos

  19. Que Niterói não tem ordem pública, isso é fato há muito tempo. Não vejo efetividade nas ações da guarda municipal. Não colocam ordem no trânsito, na ocupação de calçadas, na barulheira que motociclistas fazem, às vezes tarde da noite, em ruas residências, algumas com hospitais, como na Roberto Silveira. Motos passam a toda. Além de estarem acima do limite de velocidade, fazem um barulho infernal. Cadê a fiscalização do no trânsito? Seja humana, ou eletrônica. Não se tem qualidade de vida aqui. Se engana quem pensa que tem.

  20. AS CALCADAS, NO CENTRO DE NITERÓI, SÃO INTRANSITAVEIS…UM HORROR!!! ALIÁS, O CENTRO ESTÁ CHEIO DE BARES ( PÉ SUJO ) NAO VOU VOTAR EM NINGUÉM..NÃO MERECEM O MEU VOTO..
    .PAGO IPTU EM DIA !!!!

  21. O que interessa a população de Niterói,em resumo é viver em paz.Entretanto, onde falta “pão” , ordem urbana, luz, emprego,, segurança, postos de saúde esvaziados, creches sem vagas, escolas sem merenda,professores desprestigiados, só Deus na causa.

  22. Clamo pelo fim da gestão de um tal de Boechat, que a anos administra o abandono da Região Oceânica.

  23. Não concordo com praticamente nada do que vc disse. Não gosto e não sou eleitor tampouco partidário do Rodrigo Neves. Mas não vejo este cenário de caos que vc disse. Tem problemas sim, mas tenho que reconhecer que fez muito mais do os anteriores. E eu moro na RO há 25 anos.

  24. Dizem que Jordy é um nome forte e Bruno Lessa TB.
    Para vereador, tem o Cláudio Vicente, que fez um belo trabalho à frente da vigilância sanitária de Niterói.

    1. Vocês da classe média alta de Icaraí,estão pagando o preço e vão pagar muito mais , por apoiar o Bostanaro e os filhos dele! Vocês não querem dividir a renda de vocês com os mais nessecitados, o governo da Dilma e do Lula procurou ajudar os mais pobres , mas vocês não aceitaram pois não renderia nada nas suas ações, vocês são uns covardes e egoístas! Quero que o povo pobre e desempregado coloquem bancas de camelô nas portas dos edifícios de vocês para poder tirar o seu sustento! Fora seus coxinhas e batedor de panelas egoístas!

Comments are closed.

Menu