New here? Register. ×
×

Cuidado, não caia no golpe da vacina vendida pela internet, alerta Procon

Escrito por Gilberto Fontes às 15:05 do dia 6 de janeiro de 2021
Sobre: Net contaminada
  • golpe da vacina
06jan

golpe da vacinaCyber-vigaristas já estariam oferecendo doses de vacina contra Covid-19 pela internet. O alerta é feito pelo Procon de São Paulo, que identificou ontem (05/01), um site chamado Farmácia 24 horas, já retirado do ar, que estaria anunciando a venda de um suposto imunizante contra a virose. Dez caixas com dez doses eram vendidas por R$ 98.

O Procon paulista destaca que nenhuma vacina contra o novo Sars-CoV-2 recebeu o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser usada no Brasil, seja pelo Sistema Único de Saúde (SUS), seja por clínicas médicas particulares ou farmácias.

O golpe maior contra os consumidores não seria a venda de uma vacina que não existe. A vítima poderia sofrer perdas maiores, pois os golpistas exigiam o preenchimento de um cadastro, com nome completo, endereço e cartão de crédito.

Para Guilherme Farid, chefe de gabinete do Procon-SP, o número de tentativas de golpe deve aumentar após a liberação do uso de vacinas pela Anvisa. “É uma publicidade que apela para o medo, para a saúde do consumidor, em um momento delicado que o país e o mundo estão atravessando”, afirma.

Anvisa orienta clínicas a fazerem monitoramento de vacinados

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou hoje (6), em Brasília, uma nota técnica sobre o acompanhamento de efeitos adversos em quem se vacina em clínicas privadas.

Segundo a Anvisa, a nota técnica é válida para qualquer vacina, mas logo na introdução do documento a agência destaca o desenvolvimento célere de tratamentos e vacinas para covid-19 como principal desafio sanitário que motivou a publicação.

O documento foi publicado dois dias depois de a Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC), que representa o setor privado, confirmar a negociação para a compra de 5 milhões de doses de uma vacina contra covid-19 produzida na Índia.

A busca do setor privado pela compra de vacina contra a covid-19 causou polêmica devido ao receio de que a rede privada de saúde possa ter um imunizante disponível antes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Pelo texto da nota técnica, “as autoridades sanitárias e os serviços de saúde devem prezar pelo monitoramento destes medicamentos para verificar a sua segurança e efetividade, principalmente no que tange a vacinas, as quais têm o potencial de serem utilizadas em larga escala para a imunização de toda a população brasileira”.

Nas orientações às clínicas privadas, a Anvisa frisa que, para cumprir a legislação, todos os estabelecimentos devem criar um Núcleo de Segurança do Paciente (NSP), visando acompanhar todos os vacinados e monitorar quaisquer incidentes e efeitos adversos após a vacinação.

Sharing is caring

Gilberto Fontes
Gilberto Fontes
Repórter do cotidiano iniciou na Tribuna da Imprensa, depois atuou nos jornais O Dia, O Fluminense (onde foi chefe de reportagem e editor), Jornal do Brasil e O Globo (como editor da Rio e dos Jornais de Bairro). É autor do livro “50 anos de vida – Uma história de amor” (sobre a Pestalozzi), além de editar livros de outros autores da cidade.
|