New here? Register. ×
×

Cherne de 118 quilos é a atração no Mercado São Pedro, em Niterói

Escrito por Gilson Monteiro às 17:27 do dia 25 de novembro de 2021
Sobre: Pescado nobre
25nov

Cherne, Mercado São PedroUm peixão de 118 quilos chamava a atenção, hoje (25/11), dos frequentadores do tradicional Mercado São Pedro, no Centro de Niterói. Era um cherne pescado em alto mar que acabara de ser entregue no boxe 105 (veja o vídeo). Achiles Mandarino e sua experiente equipe trataram de descamar o cherne para ser vendido em filés por R$ 80,00 o quilo. A cabeça pesando 26 quilos foi reservada para um cliente.

Antes da pandemia e da crise econômica que se abateram sobre o país, os boxes do Mercado São Pedro vendiam duas toneladas de frutos do mar por semana. Hoje são vendidos 600 quilos por semana. Mas se o consumo caiu, o ambiente continua movimentado. No segundo piso tem uma área de gastronomia. Os restaurantes têm como cardápio principal os frutos do mar que o cliente pode comprar nos boxes levar para serem preparados na hora.

O cherne é um peixe de águas profundas. De carne considerada nobre, ele se alimenta de outros peixes, camarões, lulas e crustáceos. O exemplar que chegou nesta quinta-feira ao Mercado São Pedro não era dos maiores. A espécie pode medir dois metros de comprimento e pesar 380 quilos.

Quando jovem, é conhecido como cherne-pintado. Isto porque nesta fase tem cor de chocolate (às vezes bem escura, outras vezes clara), com manchas brancas ao longo do corpo (daí o nome).

Também é conhecido por chernote, chernete, cherna e mero-preto. Muitos o consideram um primo próximo da garoupa. Mas em geral, quando já adulto, a coloração deste cherne, chamado de “verdadeiro”, varia do marrom-avermelhado à ferrugem. Com uma ressalva: alguns indivíduos têm o ventre mais claro. Para pescá-lo, as iscas naturais são bastante eficientes (lulas, tentáculos de polvo e filés de bonito).

Sharing is caring

Gilson Monteiro
Gilson Monteiro
Iniciou em A Tribuna, dirigiu a sucursal dos Diários Associados no Estado do Rio, atuou no jornal e na rádio Fluminense; e durante 22 anos assinou uma coluna no Globo Niterói. Segue seu trabalho agora na Coluna Niterói de Verdade, contando com a colaboração de um grupo de profissionais de imprensa que amam e defendem a cidade em que vivem.
|

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *