New here? Register. ×
×

UFF abate árvores no Morro do Caniço, atrás do prédio da Reitoria, em Icaraí

Escrito por Gilson Monteiro às 11:05 do dia 14 de janeiro de 2020
Sobre: Motosserras em ação
  • Corte de árvores no Morro do Caniço
14jan

Corte de árvores no Morro do CaniçoA Universidade Federal Fluminense está desde o dia 23 de dezembro derrubando árvores do Morro do Caniço, que fica atrás do prédio da Reitoria, na Rua Miguel de Frias, em Icaraí. Moradores vizinhos ouvem as motosserras desde a véspera do Natal. Eles procuraram saber o motivo do desmatamento. Funcionários da UFF disseram que era porque alguns troncos estavam com cupim.

O prédio do antigo Cassino Icarahy também abriga um escritório da Advocacia Geral da União (AGU). Funciona como órgão de assessoramento jurídico e consultivo junto à Reitoria da UFF. Mas no endereço não existe nenhuma placa, como determinam as Leis Ambientais, em que constem os números de processos da Secretaria de Meio Ambiente de Niterói e do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) referentes à:

1) supressão de vegetação;

2) certidão de anuência do INEA;

3) licença de desmonte;

4) licença de instalação;

5) licença de demolição, com o nome do responsável, com inscrição no Crea.

Preservar ou não preservar, eis a questão

O Morro do Caniço estava incluído no Plano Diretor Urbano de 1992 dentre os elementos arquitetônicos, urbanísticos e paisagísticos sujeitos à proteção, com sua encosta considerada prioritária para reflorestamento (art.129 da Lei 1157/92).

Já o Plano Diretor de 2019 (Lei 3.385 de 21/01/19) deixou de citar nominalmente o Morro do Caniço e todos os outros de Niterói. Descreve as Áreas de Preservação Permanente (APP) como “áreas protegidas, ambientalmente frágeis e vulneráveis, podendo ser públicas ou privadas, urbanas ou rurais, cobertas ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, a permeabilidade do solo, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas”.

A UFF, uma das maiores universidades públicas do país, deveria servir de modelo aos seus 50 mil alunos, que ali vão em busca de ensino, mas que precisam também receber noções de ética e cidadania, como o exercício dos direitos e deveres, não de maus exemplos.

Ficam as perguntas: Como se dará a compensação ambiental? A UFF tem autorização da Secretaria de Meio Ambiente de Niterói e do Inea para derrubar as árvores?

Os três órgãos públicos têm a obrigação e o dever de prestarem contas aos cidadãos, que pagam altos impostos para manter esta inchada máquina burocrática funcionando.

Leia também:

Sharing is caring

Gilson Monteiro
Gilson Monteiro
Iniciou em A Tribuna, dirigiu a sucursal dos Diários Associados no Estado do Rio, atuou no jornal e na rádio Fluminense; e durante 22 anos assinou uma coluna no Globo Niterói. Segue seu trabalho agora na Coluna Niterói de Verdade, contando com a colaboração de um grupo de profissionais de imprensa que amam e defendem a cidade em que vivem.
|

7 thoughts on “UFF abate árvores no Morro do Caniço, atrás do prédio da Reitoria, em Icaraí

  1. De uns tempos pra cá, a prefeirura de Niterói vem asfaltando as ruas da cidade sem desbastar o asfalto antigo o suficiente. Existem trechos onde o asfalto já está na haltura do meio-fio e em consequência, muitos bueiros tapados.
    O Centro de Niterói, onde morei por muitos anos, nunca alagou durante os temporais.
    Agora, está uma calamidade!!!£
    Qualquer dia, vamos ter que construir muretas na frente de nossas portas.

  2. A Reitoria da Universidade Federal Fluminense está suprimindo as árvores e a vegetação ao redor , sem nenhuma fiscalização por parte da Secretaria Municipal de Meio Ambiente , sem nenhum trabalho de encosta ou replantio até a presente data, e desmatando em pleno verão, época de muitas chuvas. O medo dos moradores ao redor, é de ocorrer deslizamento de terra, e gerar uma tragédia. As autoridades competentes tem que apurar com rigor o que está sendo feito. Precisamos evitar o pior.

  3. Olá Gilson, as ruas do Ingá continuam alagando quando chove intensamente por mais de 30 minutos. Até mesmo o fato do vereador Gallo ter residência na rua Dr Pereira Nunes consegue fazer com que as aguas pluviais escoem. Nem mesmo o valor do IPTU (paguei R$ 3000) ajuda para que as ruas não virem rios !

  4. Primeiro na Boa Viagem e agora em Icaraí???
    De novo: cadê os órgãos competentes de fiscalização do meio ambiente, cadê?????
    É complô contra a cidade de Niterói?????????

  5. É revoltante vermos a cada dia, a indiferença das autoridades! Elas próprias, se omitindo ou autorizando, quando nâo uma “PODA(?)” que aleija a arborização para desviar da “tecelagem” de fios da cidade, a derrubada de árvores quase seculares, a exemplo da avenida “das árvores” em Pendotiba, que é desmatada por falta de tratamento e poda adequada! Para não falar da “compensação” oficial, estapafurdia com as incorporadoras “que vendem o VERDE” como marketing de vendas, de imóveis, se redimirem plantando mudinhas em “chiqueirinhos” nas orlas das praias para”recuperar as restingas”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Menu