New here? Register. ×
×

Niterói reverencia memória de Boechat

Escrito por Gilberto Fontes às 10:06 do dia 13 de junho de 2019
Sobre: Noite de emoção
13jun

Parentes, amigos e fãs lotam o salão nobre do Rio Cricket no lançamento do livro Toca o Barco

Niterói prestou uma emocionante homenagem ao jornalista Ricardo Boechat  na noite de terça (11/06), lotando  o salão nobre do clube Rio Cricket, em Icaraí, durante o lançamento do livro “Toca o barco”, que reúne histórias sobre a vida do jornalista que morreu tragicamente, no auge de sua carreira, em um acidente de helicóptero ocorrido em fevereiro, em São Paulo.

Dona Mercedes Carrascal, mãe de Boechat, os irmãos Cesar, Sérgio e Carlos, a filha Paula, primos e sobrinhos, além de muitos amigos e fãs reverenciaram a memória daquele que tanto amava Niterói. O lançamento de “Toca o Barco”, editado pela Máquina de Livros com textos de 32 colegas e amigos que trabalharam com o jornalista, reuniu cerca de quinhentas pessoas no Rio Cricket.

Dona Mercedes agradece a homenagem ao filho Boechat

Dona Mercedes com Paula filha de Boechat, e a bisnetinha

Um dos momentos de maior emoção foi protagonizado por Dona Mercedes ao falar do filho. “Estou aqui num misto de alegria e tristeza. Tristeza porque não queria estar aqui por esse motivo. Alegria por descobrir nesse livro histórias da vida profissional do Ricardo que eu não conhecia, de como ele era um homem generoso e preocupado com os colegas”, disse ela, antes de passar quase três horas autografando o livro juntamente com os jornalistas Gilson Monteiro, Ana Claudia Guimarães, Luiz Antonio Melo, Leilane Neubarth e Maurício Menezes, presentes ao evento.

A Orquestra de Cordas da Grota, formada por jovens da comunidade da Grota do Surucucu, em São Francisco, fez uma apresentação especial. Também foi exibido um vídeo produzido pelo jornalista João Marcos Latgé, com passagens da vida de Boechat, que emocionou tanto que as pessoas pediram cópias para guardar de recordação.

Os jovens da Orquestra da Grota receberam de dona Mercedes bolas oficiais da Federação de Futebol, e livros entregues pelos editores Bruno Thys e Luiz André Alzer. Também para lembrar a paixão de Boechat pelas peladas de futebol foram distribuídas como uma lembrança da noite dezenas de bolas de plástico e servido chope por cortesia da Cervejaria Noi.

Dona Mercedes com as jornalistas Leilane Neubarth e Luiza Zveiter

Índio do Brasil Cardoso, Roberto Nolasco, Paulo Gomes e Sílvio Lessa

O presidente da Academia Fluminense de Letras, Waldenir Braganca, disse que nunca houve um lançamento de livros tão concorrido. Ficou feliz em ver jovens e idosos na enorme fila que se formou para adquirir o livro que conta a história do brilhante jornalista. “É uma demonstração de que quando o assunto interessa, todo mundo lê”, disse o acadêmico.

O fato é que somente o Boechat seria capaz de proporcionar uma emocionante noite de reencontro de velhos e novos amigos (colegas de profissão ou não). Ele era assim: dividia com os outros tudo o que tinha, inclusive as amizades.

Leia também:

Sharing is caring

Gilberto Fontes
Gilberto Fontes
Repórter do cotidiano iniciou na Tribuna da Imprensa, depois atuou nos jornais O Dia, O Fluminense (onde foi chefe de reportagem e editor), Jornal do Brasil e O Globo (como editor da Rio e dos Jornais de Bairro). É autor do livro “50 anos de vida – Uma história de amor” (sobre a Pestalozzi), além de editar livros de outros autores da cidade.
|

11 thoughts on “Niterói reverencia memória de Boechat

  1. Bela homenagem ! aquele que foi a voz de um povo cansado de tanta canalhice de muitos políticos !!!! Muitas saudades !!!

    1. Verdade, sempre corajoso, oportuno e com linguajar claro direcionado a qualquer um que o ouvia.
      Seres humanos como você fazem muita falta.
      Descanse em paz amigo !!
      Chateau

  2. Seu sorriso largo e sincero deixa saudades! Esta bela homenagem é digna de um grande homem! Que a alegria e seu exemplo, novas gerações possam se inspirar!

  3. Muita emoção. Boechat faz uma falta danada nesse Brasil atual, tão carente de brasileiros como ele.

  4. Que pena descobrir na ausência de Ricardo Boechat o quanto ele era querido. Ele faz uma falta danada, sobretudo, nesse Brasil atual, carente de brasileiros como ele.

    1. Não consigo adjetivos suficientes e perfeitos para retratar a festa que o querido Gilson organizou com
      o grupo que abrilhantou a festa incluída à queridíssima
      Mãe Dona Mercêdes e a bisneta
      Parabéns nobre Gilson

  5. Noite repleta carinho e admiração pelo queridíssim jornalista Ricardo Boechat. Bela homenagem . Parabéns pela linda noite.

Comments are closed.

Menu