New here? Register. ×
×

Luta pela igualdade na obra de Ale Maia

Escrito por Gilberto Fontes às 17:02 do dia 16 de março de 2018
Sobre: Retrato histórico
16mar

O artista plástico niteroiense Ale Maia e Pádua, 35 anos, abre dia 24/03 (sábado), às 14h, a exposição “Viver é lutar”, que ficará até 5 de maio no Espaço Cultural dos Correios, no Centro de Niterói. A mostra apresenta cinco trabalhos originais, mais os textos e 12 reproduções de gravuras do Século XVI, de diferentes autores, que dão embasamento à obra de Ale.

A mostra de pinturas digitais é fruto de mais de dois anos de trabalho e de pesquisas histórica e literária centradas no cenário da batalha de Uruçumirim, onde mais ou menos fica hoje o Outeiro da Gloria, no Rio de Janeiro, em 1567. Neste ano, em 20 de janeiro os portugueses expulsaram os franceses do território brasileiro e exterminaram centenas de índios tupinambás, sepultando o projeto da França Antártica, liderado por Durand Villegagnon.

— “Viver é Lutar” é um convite à história, à memória e à reflexão sobre nosso passado, nossa constituição enquanto povo, aquilo que desenvolvemos, aquilo que herdamos e o que esquecemos sobre nós mesmos – diz o artista.

Uruçumirim era o último reduto de tamoios e franceses destroçado pela fúria portuguesa aliada aos índios temiminós, que tinha entre suas lideranças o índio Arariboia. Este fato é ressaltado pelo artista, ao questionar “se o resultado desta batalha fosse outro, como seria o Brasil de hoje?”.

Ale Maia com seu olhar artístico e lúdico, somado à perspectiva histórica, conduz o observador de sua obra a essa reflexão.  Diz, ainda, pretender fazer uma analogia daquele antigo ambiente de guerra há mais de cinco séculos aos dias de hoje, levantando questões pertinentes às duas épocas, tal como a luta por liberdade, igualdade e fraternidade entre pessoas de diferentes etnias, gêneros, culturas, religiões entre outros aspectos antropológicos.

— Chama atenção a imensa diferença ética com relação ao tratamento das populações indígenas pela Missão Francesa no Brasil recém invadido versus a brutalidade dos conquistadores portugueses: tradutores foram enviados para aprender Tupi; as violações de mulheres indígenas por franceses eram religiosamente punidas e tendências escravistas eram inibidas. Assim, era natural que os índios desenvolvessem simpatia pelos franceses. A batalha retratada em “Rio 1567” (o painel principal da exposição), travada por franceses, índios, mulheres e crianças, contra portugueses é a mais icônica nesse sentido e uma das mais brutais da história do Rio de Janeiro – diz Ale Maia e Pádua.

Santa Maria Tupanci (a mãe de Tupã) é representada por Ale como uma mulher “metade francesa, metade tupinambá. Metade coberta, metade nua. Metade santa, metade canibal. Santa Maria Tupanci é uma arte construída a partir de devaneios de hibridização cultural que nos faz imaginar como seria uma religião formada por elementos dessas duas etnias, europeia e nativa”, conclui o artista.

Sharing is caring

Gilberto Fontes
Gilberto Fontes
Repórter do cotidiano iniciou na Tribuna da Imprensa, depois atuou nos jornais O Dia, O Fluminense (onde foi chefe de reportagem e editor), Jornal do Brasil e O Globo (como editor da Rio e dos Jornais de Bairro). É autor do livro “50 anos de vida – Uma história de amor” (sobre a Pestalozzi), além de editar livros de outros autores da cidade.
|
Menu