New here? Register. ×
×

Esquina do Turco ganha placa em Icaraí

Escrito por Gilson Monteiro às 16:43 do dia 17 de julho de 2019
Sobre: Confraria
17jul

A confraria celebrando 35 anos de turma da Esquina do Turco, em Icaraí

Quem passou pela Moreira César na noite de ontem (16/07), tinha a atenção voltada para um grupo de homens com rataahs na cabeça (turbantes brancos com listas vermelhas), falando alto e gesticulando. Eram os membros da Confraria do Turco em um coquetel de confraternização na calçada da movimentada rua de Icaraí. Para marcar os 35 anos que ali se reúnem, os confrades inauguraram a placa “Esquina do Turco”, numa parede da loja Katia, na Moreira com Otávio Carneiro.

Na verdade, o ‘turco’ é o carismático Marcelo Nasser, descendente de libaneses, ex-professor de Educação Física. A confraria começou em 1984, numa festa de fim de ano regada a champanhe e com muito quibe e esfirra na loja de tecidos Cotton, que Nasser manteve no endereço até 2009, quando encerrou o negócio. Hoje, são mais de 50 membros das mais diversas atividades e profissões.

 

Marcelo Nasser inaugurando a placa na esquina das ruas Moreira César e Otávio Carneiro

A confraria, que recebeu novos membros nesta terça-feira, não tem estatuto. Suas regras são bastante flexíveis, mas não permitem fofoca nem discussão acalorada, principalmente sobre política e futebol. Porém, guardar segredo não é o forte da turma. Quando uma notícia chega àqueles quatro bancos se espalha numa velocidade maior do que a de um foguete, ainda mais agora com o uso do WhatsApp.

Fabiano Gonçalves, Roberto Nolasco, novo confrade, e Marcelo Nasser

Os encontros diários têm uma pausa para o cafezinho, o chá ou o mate em um dos três pequenos shoppings da área, o Icaraí, I Fashion e ou Central Prime, e também na padaria Pão&etc.

Duas vezes por semana, o ‘turco” Marcelo Nasser escolhe um bom restaurante, optando por aquele que esteja oferecendo promoção no cardápio e na carta de vinhos.

Um psiquiatra, que frequenta a Esquina de vez em quando, disse que é a melhor terapia de grupo que conhece na cidade. Como a Moreira César é a mais movimentada de Icaraí, mesmo ficando parado naquela esquina, sempre se encontra e reencontra muita gente, além daquela conversa fora que distrai, tornando a reunião um ambiente saudável e alegre. É bem melhor, do que ficar em casa diante de uma televisão, diz o doutor.

Davidson Lannes, Daise Monassa , Marcelo Nasser e Geraldo Imparato

 

 

Leia também:

Sharing is caring

Gilson Monteiro
Gilson Monteiro
Iniciou em A Tribuna, dirigiu a sucursal dos Diários Associados no Estado do Rio, atuou no jornal e na rádio Fluminense; e durante 22 anos assinou uma coluna no Globo Niterói. Segue seu trabalho agora na Coluna Niterói de Verdade, contando com a colaboração de um grupo de profissionais de imprensa que amam e defendem a cidade em que vivem.
|

7 thoughts on “Esquina do Turco ganha placa em Icaraí

  1. Conheço Nasser através do esporte em que ele era técnico da seleção feminina estudantil do antigo Estado do Rio de Janeiro, viajamos juntos para os Jogos Estudantis Brasileiros em Brasília no ano de 1973, ele como técnico de voleibol e eu como atleta da seleção estudantil de handebol cujo técnica era Ronaldo Goldoni, amizade que existe até hoje, fico muito feliz em ver esta homenagem a esse niteroiense,que preserva a memória de uma Niterói romântica e que valoriza os amigos e suas famílias, parabéns a homenagem a Nasser também chamado por alguns carinhosamente como Conde de Saparuga ❣

  2. Quem foi o fundador desse clube, Nasser deve se lembrar, fui eu na Conceição. Em tempos idos.
    Reuníamos para comemorar o fim do ano.
    Compravamos as bebidas e os beliscos na periferia.
    Leiteria Brasil, Esportiva etc .
    Levava muito no início, garoto ainda, Felipe Portugal Lima, de saudosa memória.
    Depois, Marcelo levou para a Moreira César. Aí já não mais nos pertencia. Vieram novos ilustres companheiros e a tradição foi consolidada .
    Parabéns amigo por ter mantido essa tradição.

  3. É um grupo bacana , mas não tem um turco. Tem libanês, sírio . Mas turco é quem nasce na Turquia e era o denominativo usado para generalizar os que vinham do mundo árabe . Não agradava nada aos filhos do Líbano , da Síria tampouco . É o mesmo que chamar brasileiro de argentino.
    Acho vcs exemplo de boas amizades. E se gostam do título Esquina do Turco que assim seja.

  4. Sensacional! Marcelo Nasser, meu contemporâneo do Liceu, Colégio Público de Niterói, que era, naquela época, a maior referência do ensino da nossa cidade, que tinha, como Professora de Português a Escritora Albertina Fortuna, hj, merecidamente nome de rua em Piratininga. Já naquela época o Turco Marcelo Nasser já tinha um papel de destaque, junto aos seus colegas de colégio, quando de vez em quando os levava, na Rua José Clemente, onde morava, para comer quibe, servido pela sua saudosa e simpática Dona Nabia.Parabens para todos que tiveram a iniciativa de homenagear os Turcos de Niterói, através de um local de encontro de pessoas tão amigas!

Comments are closed.

Menu