New here? Register. ×
×

Covid-19 assusta turma do racha de basquete, do Country Club Niterói

Escrito por Gilson Monteiro às 16:34 do dia 1 de abril de 2020
Sobre: Fora da quadra
01abr

A turma do racha do basquete, que todas as quartas à noite e domingos pela manhã, se reúne no Country Club Niterói, em Pendotiba, paralisou a atividade diante da necessidade de isolamento social para evitar a disseminação do coronavirus. São homens entre 60 anos e até mais de 80 anos, agora enlutados pela perda de um dos membros, o querido amigo Paulo Figueiredo, primeira vítima fatal do coronavirus em Niterói.

Paulo Figueiredo na arquibancada do ginásio do Country

Cinco dias antes de falecer, Figueiredo esteve na quadra do Country, mas não jogou. Preferiu o bate-papo regado a cervejinha e Mineirinho com os amigos. Embora o Hospital Icaraí relatasse em seu boletim médico que Figueiredo teria contraído a virose de um parente que chegara do exterior, um dia após sua ida ao clube, a turma do racha recebeu recomendações médicas para permanecer em suas casas. Somente deveriam procurar um hospital em caso de alguma emergência, por serem todos da faixa de alto risco.

Paulo Figueiredo, advogado respeitado e prestativo era um homem de bem com a vida, sempre alegre. Os amigos, impossibilitados de comparecer ao sepultamento, querem homenageá-lo dando seu nome a uma dependência do Country, assim que acabe o período de confinamento compulsório.

Celeiro do basquete

Niterói sempre foi um celeiro de grandes jogadores de basquetebol. A cidade abastecia os clubes cariocas. Kanela, o maior treinador do Rio e do Brasil, atravessava a barca para o lado de cá em busca de craques para reforçar a equipe do Flamengo, imbatível naquele tempo.

Uma lenda que participava dos rachas, foi Fernando Brobó, campeoníssimo pelo Flamengo, campeão mundial no Chile em 1960 e medalha olímpica em Roma em 1959. Outra expressão, foi Guguta, com vários  títulos, mas consagrado mesmo porque, na decisão de 1955 no Maracanãzinho, fez a cesta que garantiu o título Carioca ao Flamengo, contra o Sírio Libanês, nos segundos finais da partida. Foi tanta emoção que o presidente do clube, Gilberto Cardoso, enfartou na hora. Em sua homenagem, o mais conhecido ginásio esportivo do Brasil recebeu o nome do presidente do Flamengo.

Outros craques marcaram época e muitos ainda suam a camiseta clássica do esporte da cesta, matando a saudade dos bons tempos e mantendo a confraternização esportiva e a amizade que os une até hoje.

Sem obedecer a uma ordem de conquistas de títulos, seguem os nomes de alguns desses niteroienses. Se faltar alguém que o leitor se lembre, por favor acrescente nos comentários. São eles: Artur, os irmãos Iso, Lula e Carlos Augusto Coimbra de Melo, general Cury, Guilherme Eurico, Mário Lécio, Rogério Toro, Aurélio Tomassini, Tude, Carlos Bacelar, Luiz Henrique Monassa, Haroldo Hayres, Sérgio Bocão, Alfredinho da Fiat Lux, Franklin Pimentel, Ronaldo Goldoni, Esquerdinha, Luiz Felipe, Vinagre, Jordão, os irmãos Jorge Nilton e Chocolate, Eduardo Caminha, Marcelo Salgueiro e muitos outros.

Leia também:

Sharing is caring

Gilson Monteiro
Gilson Monteiro
Iniciou em A Tribuna, dirigiu a sucursal dos Diários Associados no Estado do Rio, atuou no jornal e na rádio Fluminense; e durante 22 anos assinou uma coluna no Globo Niterói. Segue seu trabalho agora na Coluna Niterói de Verdade, contando com a colaboração de um grupo de profissionais de imprensa que amam e defendem a cidade em que vivem.
|

12 thoughts on “Covid-19 assusta turma do racha de basquete, do Country Club Niterói

  1. Olá! Bom dia! Você não me conhece, mas estivemos juntos em várias festas no Country Clube de Niterói, quando Marcelo Garzon foi presidente. Então, tomei conhecimento da nota que você publicou em 1 de abril no seu blog, e a achei muito oportuna, porque resgatou parcialmente a história do basquete de Niterói, cujo ápice se deu em 1.959 e 1.963, quando Fernando de Freitas se sagrou bicampeão mundial de basquete! Outros grandes jogadores de Niterói, como Guguta, que jogou no Flamengo, Artur Ayres, que jogou no Flamengo e XV de Piracicaba, Franklin Pimentel, jogou no Flamengo e Botafogo, Aurélio Tomassini, que jogou principalmente no Botafogo, merecem destaque porque tiveram participação no cenário nacional, atravessando as fronteiras de Niterói. Porém, o grande General Curi, por exemplo, meu fraterno companheiro, não era propriamente um jogador de basquete, mas sim um “organizador” de peladas, ou seja, escalava os times, distribuía camisas, etc. Mas, veja você, mais imprescindível do que os citados medalhões! Bom, dito isto, a razão de eu lhe enviar essa mensagem é para separar as histórias do basquete de Niterói, e do Country, já que a sua lista contempla uns poucos ex-jogadores que fizeram parte do corpo de sócios do clube. Se você quiser, eu lhe envio a lista completa e detalhada com todos os nomes. Abraço. Luiz Fernando Willcox de Souza – ex vice presidente do Country Clube de Niterói.

    1. Em continuaçao ao esclarecimento anterior, da lista que foi apresentada, somente foram sócios do Country Clube de Niteroi os seguintes nomes: Artur Ayres, Carlos Augusto Coimbra de Melo, general Cury, Guilherme Eurico da Cunha, Mário Lécio Cunha (mas nao era do basquete…), Tude de Freitas, Luiz Henrique Monassa, Haroldo Ayres e seu filho Rodolfo, Alfredinho Schenetzer, da Fiat Lux, Paulo Henrique vulgo Esquerdinha, Luiz Felipe Netto dos Reys, vulgo Tripa, Sergio Maia Vinagre, os irmãos Jorge Nilton, Paulo Nilton e Sergio Nilton.

      Todos esses antes nomeados tem registros em campeonatos internos de basquete, um dos quais, sob a minha direçao, teve o nome de Fernando de Freitas dado ao troféu, por motivos mais do que óbvios!

      Agora, faltou uma lista mais antiga ainda. embora nao contenha medalhoes de destaque nacional: Carlos Afonso Duval (dentista), Carlos Victor Carvalho de Souza Junior (engenheiro e professor da UFF), Luiz Fernando Willcox de Souza (engenheiro e professor da UFF), Jader Nei Marques (empresario), Sergio Freitas (dentista), Antonio Guerrini (engenheiro), Aurelio Cechetti (engenheiro), Hely Carvalho de Souza (engenheiro), Claudio Dantas (engenheiro), Romeu Barbosa, da Gruta de Capri, Marcelo Garzon (advogado e empresario), Antonio Carlos Mendes Gomes (engenheiro), Antoniebe Huevas da Costa (engenheiro), Paulo Roberto de Souza (medico ortopedista), Manoel de Almeida (medico), Jorge Mattos (engenheiro), e outros que nao me lembro, certamente porque tenham tido uma participaçao bem pequena nos torneios, ou mesmo sem tal participaçao, dai nao dispor nos meus registros!

      Notar que o falecido advogado Paulo Figueiredo nao faz parte da lista, porque, na verdade, na epoca dos torneios dos quais há registros, ele nao era muito participante! Ao que parece, e segundo a turma que aparece na foto do blog, ele se tornou mais assíduo nas peladas do basquete nos ultimos 20 anos, quando a epoca aurea do basquete se esvaiu! Muitas mortes, e aí a turma das antigas foi se afastando seja por uma melancolia natural seja porque foram aparecendo em todos comorbidades típicas da idade!

    2. Olá!
      Aí segue a lista de peladeiros históricos do basquete do Country Clube de Niterói. alguns deles já citados na notícia publicada no seu blog, em 1o. de abril último.
      Começo por destacar aqueles que de fato foram sócios do clube, e tem registro nos torneios internos realizados no mesmo, a saber: Artur Ayres, Carlos Augusto Coimbra de Melo, general Edmond Cury, José Tude de Freitas, Luiz Henrique Monassa, Haroldo Ayres, Alfredinho Schnetzler, Paulo Henrique, vulgo Esquerdinha, Luiz Felipe Netto dos Reys, vulgo Tripa, os irmãos Jorge Nilton dos Santos. Sergio Nilton dos Santos, vulgo Vitamina, e Paulo Nilton dos Santos, vulgo Chocolate…Os demais listados na matéria ou nao fizeram parte do corpo de sócios do clube até 1.990, época aúrea do basquete em Niterói, e particularmente no CCN, ou estao parte da lista mostrada a seguir! No caso dos nao sócios, eles apenas apareciam eventualmente como convidados, eram mais vinculados às peladas no Regatas Icaraí, sendo convidados pela proximidade entre os dois clubes!

      A lista mais abrangente de peladeiros no Country tinha os dentistas Carlos Afonso Duval e Sergio Freitas, os engenheiros e professores Luiz Fernando Willcox de Souza e Carlos Victor Carvalho de Souza Júnior, os engenheiros Claudio Dantas, Antoniebe Huevas da Costa, Antonio Carlos Mendes Gomes, Heli Carvalho de Souza, Aurelio Cechetti Vaz, Sergio Vinagre, Fernando Pereira das Neves e Jose Mattos, os empresarios Jader Ney Marques, Romeu Barbosa (Gruta de Capri) e Marcelo Garzon (Construtora Boeckel & Garzon), o procurador estadual José Tavares Coutinho, Mauro Elysio, os medicos e professores Guilherme Eurico Cunha, Paulo Roberto de Souza, e Manoel de Almeida, os economistas Antonio Guerrino e Fernando Carvalhido, o almirante de esquadra Roberto Osório e seu filho Fernando Osório, entre outros…se lembrar de mais outros nomes, voltarei a informar de modo a recuperar a história do basquetebol no Country Clube de Niterói.
      Mas note, por favor, que o nosso falecido Paulo Figueiredo nao era propriamente dos mais assíduos basqueteiros na época a que me refiro, e, ao que parece, se torno mais presente nos últimos anos, junto ao grupo de Luiz Felipe, o Tripa, Sergio Vinagre, e Fernando Pereira das Neves, do grupo de sócios já referido. Os demais companheiros recentes dele estao na lista inicialmente publicada no blog, em 1o. de abril de 2.020.

      Qualquer dúvida que ajude a recompor a história do basquete em Niterói, e particularmente no CCN, queira me consultar.

      Obrigado!

      Luiz Fernando Willcox de Souza

      1. Prezado Luiz Fernando , permita-me acrescentar meu irmão , Defensor Publico Helvécio Guimarães recentemente falecido , que por mas de 4 décadas foi sócio do nosso CCN e assíduo participante das peladas de quarta feira e a de domingo . Tendo participado inclusive de diversas competições Sênior nacional , Grande Abraços

      1. Claro, sao muitos nomes ainda esquecidos: o do Helvécio foi uma falha imperdoavel da minha parte, devendo-se ao muito tempo sem ter contato com ele! mas justo ele, que começou comigo na escolinha do Caio Martins, la pelos idos de 1.957, com a ex-jogadora Leny e tambem a Marlene, igualmente jogadora do Botafogo…gostava, e muito, do seu irmao! E me recuso a perguntar por ele, porque nao quero ouvir eventuais noticias dele, dado que ha muito tempo perdemos contato! Grande abraço!

        Esqueci tambem do grande Milton Barbosa, mas me lembrei hoje, e sempre sera tempo de incluir outros nomes!

        E eu o farei, dado que e importante o resgate da memoria do nosso basquete!

        Luiz Fernando Willcox

      2. Mas. Alfredinho, o grande ala do basquete do CCN, para mim seria o Alfredo Schnetzer, mencionado na minha lista a seguir do nome de Haroldo Ayres! Escaparam-me; e de novo peço desculpas pela omissao, os filhos de Alfredinho, Marcelao e o outro Alfredinho! Mas, e como disse antes, sempre será tempo de lembrar de outros nomes da epoca do CCN!

        Tinoco, eu nao me esqueci, ate porque e quem mais encontro quando vou, ainda que esporadicamente, ao CCN. e ate tambem porque um dos meus filhos e muito amigo do filho dele, o Andre Alvim! Mas revi rapidamente a lista, e de pronto, nao notei o seu nome incluso, pelo que, de novo, me penitencio pela omissao involuntaria!

        Quanto aos demais, nao eram basqueteiros habituais daqueles tempos, pelo menos nao tenho seus nomes nos meus arquivos… Girao, Foguinho, Paulete, e outros citados …nao, realmente nao me lembro…por isso, e embora valha a lembrança, ate porque outros nomes podem surgir, mas nao os considero como parte daquela historia!

        A minha intençao foi apenas a de reavivar a historia dos basqueteiros do CCN. e nao a de Niteroi como um todo, Realmente, houve uma superposicao de peladeiros oriundosndo Regatas, Central, IPC, e ate mesmo Gragoata, e que muito circunstancialmete participavam de peladas no CCN, mas
        sempre na qualidade de convidados!

        Ak..,e me lembrei de um nome especial…Gugu, o Dr. Carlos Augusto Bittencourt Silva, o seu filho, igualmente medico, Dr. Carlos Henrique Bittencour Silva, o Caqrrique, e o seu genro, e meu ex-aluno Villaça…e também Sergio Artidoro! Outros serao possivelmente lembrados, e eu voltarei aqui para lembrar, se assim o Gilson Monteiro ainda quiser…

        Ah…Manoel Guimaraes…na pressa nao li, ou nao o quis fazer, a noticia sobre o nosso querido Helvecio…acho mesmo que foi um bloqueio cerebral…lamento!

    1. Entre outros, Alfredo Neto e Marcelo, filhos de Alfredinho, Marcelinho Neto, Girao. Tinoco e seu filho, Foguinho, Bara, Cláudio Vela, Helvécio., Paulete e muitos outros ainda.

      1. Ah…sempre esquecendo…Alfredinho, o Claudio Vela a que voce se refere e o Claudio Dantas, engenheiro, e que já citei, o nome constando antes do de Antoniebe.

      2. Ah…e como eu dissera, novos nomes surgem! Sergio Gimenez, da Gimenez & Andrade, e seu pai Oscar, Milton Coppollilo, que foi VP no clube, Abdala, comerciante no centro de Niteroi, e o Luis Cesar, que faleceu precocemente em acidente automobilistico, e que teria jogado uns tempos no Botafogo! Vejam, e peço desculpas, por nao incluir nomes das geraçoes posteriores, como a dos meus filhos, os de Tinoco, o de Tripa, e outros, porque estes já conviveram numa época em que os rachas nao eram tao frequentes, e tambem porque, se nao, ela seria interminável, e ai se correria o risco de mais falhas na nomeaçao.

        Mas o propósito é mesmo o de resgate daquela velha guarda do CCN, que fazia do basquete um compromisso, uma verdadeira cachaça, com os rachas de quartas a noite, sabados a tarde e domingos pela manha, sem contar os feriados…ah, e houve uma epoca aurea em que havia tambem as reunioes de sabados a noite, na casa de um ou outro, com a participaçao das esposas! Grandes tempos! e a lista de omissoes segue diminuindo!

Comments are closed.

Menu