New here? Register. ×
×

Assaltos dia e noite no Jardim Icaraí

Escrito por Gilson Monteiro às 08:56 do dia 19 de junho de 2017
Sobre: Insegurança pública
19jun

A rotina de assaltos no Jardim Icaraí teve mais um capítulo na noite de domingo (18/06). Bandidos em um Tracker prata colidiram com três carros estacionados na Rua Ministro Otavio Kelly, em frente à igreja Projeto Vida. Como o Tracker ficou entalado entre um Spin e um Jeep Renegade estacionados, depois de atingir um Fox, os ladrões largaram o carro em que estavam e roubaram um Corola branco de um casal que acabava de chegar ao local do crime.

O primeiro carro roubado ficou atravessado por horas no meio da rua, aguardando um reboque da Prefeitura chamado pela PM, que compareceu com três viaturas.

Moradores do Jardim Icaraí não sabem a quem recorrer contra a onda de assaltos que vem ocorrendo de dia, de noite e de madrugada, todos os dias. São assaltos a pedestres e a estabelecimentos comerciais, roubos de motos, carros e bicicletas e até arrastões, como aconteceu há uma semana quando quatro bandidos armados com pistolas atravessaram um Civic preto na esquina de Ministro Otávio Kelly com Avenida Sete de Setembro para roubar motoristas de outros dois carros.

Foram roubados 57 veículos na área da 77ª DP (Icaraí) segundo os últimos dados apurados em abril pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). Em 2016, no mesmo mês foram registrados 18 roubos, o que representa um aumento de mais de 216% neste tipo de ocorrência. 

Leia também:

Sharing is caring

Gilson Monteiro
Gilson Monteiro
Iniciou em A Tribuna, dirigiu a sucursal dos Diários Associados no Estado do Rio, atuou no jornal e na rádio Fluminense; e durante 22 anos assinou uma coluna no Globo Niterói. Segue seu trabalho agora na Coluna Niterói de Verdade, contando com a colaboração de um grupo de profissionais de imprensa que amam e defendem a cidade em que vivem.
|

22 thoughts on “Assaltos dia e noite no Jardim Icaraí

  1. Essa história não acaba aí, um dos assaltantes não conseguiu entrar no corola devido as travas nas portas de traz e foi deixado no meio do cruzamento da 7 de setembro com Otávio Kelly. Eu, meu marido e minha filha de 11 meses estávamos voltando de viagem e fomos rendidos no local, ele chegou a atirar em direção a um prédio, depois pegou nosso carro uma L200 cinza chumbo e subiu a rua 7 de setembro. Só deu tempo de tirar minha filha do bebê conforto e descer do carro que infelizmente estava com todos nossos pertences já que como havia dito voltávamos de viagem.

    1. Hoje ( 27/06/2017 ) todo mundo foi roubado no ponto de ônibus da Domingues de Sá, n.453.
      Um carro parou no ponto com os vagabundo e roubos todos no ponto por volta de 7:00hs da manhã. Insegurança e intranquilidade em todo o bairro.

      1. Hoje, dia 27/06, por volta das 6:00 hs, um carro com ladrões, roubou a mochila e a aliança de um rapaz no cruzamento da rua D. Bosco com Av. Sete de Setembro. Com certeza, foram os mesmos que roubaram também nesse horário um funcionário, quando chegava para trabalhar na rua D. Bosco, 84.
        Se faz necessário acabar com a rota de fuga, dos dois acessos ao Morro do Cavalão, tanto pela rua D. Bosco, quanto pela Min. Octávio Kelly, com a inversão da mão, de uma ou das duas ruas, ou bloqueando a travessia pela ponte sobre o Canal da Av. Ary Parreiras, na altura dessas ruas. Medida que deve ser analisada pelo
        setor de Engenharia de Trânsito da Prefeitura.

  2. Meu marido e eu fomos assaltados na segunda-feira passada (12/06/2017 às 23h27, no dia dos namorados), a menos de 20 metros de casa. Foi na ponte da Otávio Kelly com a Av. Ary Parreiras. Saíram 3 vagabundos armados de um Honda Preto e abordaram agente. Levaram a moto do meu marido e os nossos pertences. A rota de fuga utilizada (registrada pelo GPS do meu celular que também foi roubado), comprova que esses vagabundos são de Ititioca e o local de “desova” é atrás do Ponto final do ônibus, da viação Araçatuba.

  3. Deveria sim te uma lei para mata estes bandidos todos .ele não tem pena da gente bandido bom é bandido morto eu sou a favor dos policias saindo para mata todos eles

  4. boa tarde,
    um bairro no rio, fechou ruas e entradas, podemos fazer o mesmo com icarai, cercar que guaritas, só entra quem se identificar, é a unica solução possível…

  5. E um absurdo o respeito pelos assaltantes..Direitos humanos só existem para êles, nós que pagamos impostos absurdos continuamos perdendo amigos, parentes, carros e ganhando alem de tudo traumas. Desde domingo a rua esta super policiada…funcionando como deveria funcionar todos os dias. Daqui a pouco esquecem e se afastam daqui….
    A primeira coisa a ser feita é a troca da rota de fuga..mas dá trabalho…

  6. Só fazem isso por terem certeza de que as vítimas estão desarmadas. Façamos nossa parte assumindo posição pela revogação do estatuto do desarmamento. Uma população armada dissuade os meliantes.

  7. Os marginais assaltam porque sabem que nada têm a temer. Governos que sempre morreram de medo de alguma revolta popular que poderia ser iniciada com armamento “doméstico” promoveram uma tal “campanha de desarmamento” visando desarmar (apenas) os cidadãos (mas não os marginais).
    Precisamos inverter a situação. Quem tem que ter medo são os marginais; têm que ter medo de nós. Eles precisam saber que podem encontrar alguma reação quando tomarem a iniciativa da violência.
    Quando, no Jardim Icaraí, um bando for recebido a bala ao iniciar um assalto, todos os outros bandos vão pensar muito mais antes de tomar tal iniciativa. Talvez até desistam.
    A isto se chama “dissuasão”.
    Esperar pela PM é besteira. Todos os PMs falam que eles são poucos e não são onipresentes. E os marginais já sabiam disto antes de nós. Quando eles agem, já verificaram que não há policiais por perto.
    Nem pra eles… e nem pra nós… (entenderam?).

    1. Imagina uma troca de tiros com os bares do Jardim Icaraí lotados. Com certeza inocentes seriam atingidos. E o pior é que os ladrões ainda roubariam as armas dos cidadãos de bem. Mais armas = mais violência

      1. Esse seu raciocínio pessimista é válido.
        Para portar uma arma é necessário ter algum preparo e saber quando e como ela deve e pode ser usada e quando não pode, mesmo tendo seu uso necessário.
        Os despreparados só podem contar com a sorte. Mesmo alguns policiais militares são extremamente despreparados. São capazes de atirar apenas porque alguém está com um celular ou uma furadeira na mão. Ou porque alguém está correndo para se proteger. Difícil entender como é que ensinam tais procedimentos nos quartéis da PM.
        E muitas vezes atiram a esmo, sem mirar, visando apenas a direção de onde consideram haver uma ameaça. Assim, acabam por tomar a iniciativa da violência, o que é um erro básico.
        Praticamente toda violência é válida como reação, mas não como ação, como iniciativa.

  8. Exatamente! Em uma semana foram 4 assaltos nesses mesmos moldes! Assisti a 3 da minha varanda! Assustador!!! A rua ministro Octávio Kelly é rota de fuga! A prefeitura deveria pensar em trocar o sentido da mão como era há tempos!!!

    1. Um dos assaltos na min Octávio Kelly foi Comigo.Eu estava no tracker e foi levado sob a mira de 03 homens armados. Foi em 15.06 às 15hs. Entreguei o carro mas o TRAUMA não saiu de mim. Vivo ainda um pesadelo!!!

      1. Eu e meu marido passamos por isso na segunda-feira, dia 12, às 23h27, na ponte da Otávio Kelly com Ary Parreiras. Três vagabundos armados abordaram a gente, levaram a moto do meu marido e os nossos pertences. No meu caso, o TRAUMA foi ficar com uma arma na cabeça enquanto tentava tirar a minha aliança.

    2. Renata
      Um “sniper” bem colocado na sua varanda durante o primeiro assalto teria resolvido o problema de muita gente de bem, além de evitar que os outros três assaltos tivessem acontecido.
      Ele não precisaria se preocupar em ser flagrado por policiais, porque uma das coisas que os marginais fazem por nós, que reagimos, é verificar se há policiamento nas proximidades. Se eles agem é porque nunca há. Então nós também podemos agir livremente.
      Basta que a gente dê um único tiro numa esquina durante um assalto para que aquela esquina fique livre da marginalidade durante muitos meses, pelo menos. Nem precisa acertar no bandido, pode ser para o alto mesmo.
      Armemo-nos.

  9. Muito boa reportagem. Realmente não temos a quem recorrer. Pela manhã saiu no Jornal O Fluminense, uma grande reportagem sobre os constantes assaltos nessa esquina e a noite mais um. Por favor continue noticiando esses fatos.

Comments are closed.

Menu