New here? Register. ×
×

Morro do Gragoatá aguarda decisão final

Escrito por Gilson Monteiro às 18:26 do dia 1 de março de 2018
Sobre: Justiça federal
01mar

 

Em resposta à matéria da coluna sobre a propriedade do Morro do Gragoatá, o juiz William Douglas, da 4ª Vara Federal de Niterói, enviou os seguintes esclarecimentos:

“O Juízo da 4ª Vara continua entendendo, como já informou anteriormente, que o Morro do Gragoatá não pertence à UFF, pelos motivos já expostos no processo. A decisão em sentido contrário, na qual a decisão anterior foi suspensa, foi dada em cumprimento ao decidido pelo TRF em agravo de instrumento.

A eventual construção de prédios na área não é assunto do processo, o qual trata unicamente a respeito de quem detém a posse e a propriedade do Morro do Gragoatá.

Sobre a questão ambiental, o Juízo da 4ª VFN entende que a área já foi desmatada há mais de 60 anos, com autorização estatal, quando foi feito o desmonte do morro. A questão ambiental, vale anotar, é tratada de forma secundária na ação possessória da 4ª VFN e está sendo tratada de forma direta em outro processo, em curso na 3ª Vara Federal de Niterói.

O Juízo da 4ª VFN ainda não editou sentença, mas meras decisões antecipatórias, ou seja, o processo ainda não está decidido.

O Juízo da 4ª VFN, em nenhum momento, tornou “sem efeito a cessão do terreno para a incorporadora imobiliária”.

O Juízo da 4ª VFN em nenhum momento disse que “foi induzido à erro pelas partes interessadas.

O Juízo da 4ª VFN acolheu embargos de declaração opostos pelo Ministério Público Federal (MPF) tão somente para corrigir erro material consistente em ter sido digitado na decisão “PLANURBS” (dona anterior) e não, como seria o correto, “GIRASSOL” (dona atual).

O Juízo da 4ª VFN também corrigiu a falta de cumprimento da decisão do TRF, vez que todos (juízo, partes e MPF) vinham se manifestando nos autos sem fazer menção à mesma. Alertado pelo MPF, esta falha foi corrigida.

As questões da desapropriação, ou não, bem como a indenização, ou não, do Morro do Gragoatá e do Aterro da Praia Grande entre a Estação das Barcas e a Boa Viagem ainda estão em curso, não havendo decisão definitiva sobre as mesmas. Nos dois casos, o Juízo da 4ª VFN está buscando uma solução negociada entre as partes e que preserve o interesse público, o meio ambiente e os direitos e garantias individuais, tudo na forma da Constituição Federal e das leis.

Era o que cumpria esclarecer a fim de que a comunidade possa acompanhar o desenrolar dessas importantes questões para nossa cidade.

Niterói, 1º de março de 2018.

WILLIAM DOUGLAS RESINENTE DOS SANTOS

Juiz Titular da 4ª Vara Federal de Niterói”

 

Sharing is caring

Gilson Monteiro
Gilson Monteiro
Iniciou em A Tribuna, dirigiu a sucursal dos Diários Associados no Estado do Rio, atuou no jornal e na rádio Fluminense; e durante 22 anos assinou uma coluna no Globo Niterói. Segue seu trabalho agora na Coluna Niterói de Verdade, contando com a colaboração de um grupo de profissionais de imprensa que amam e defendem a cidade em que vivem.
|
Menu