New here? Register. ×
×

Imortais ficam sem tostão em Niterói

Escrito por Gilson Monteiro às 17:48 do dia 8 de março de 2019
Sobre: Cultura marginalizada
08mar

Nada contra a Prefeitura de Niterói ajudar as escolas de samba de Niterói que desfilaram na Sapucaí ou as que se exibiram na Rua da Conceição, disponibilizando cerca de R$ 5 milhões em subvenções no carnaval de 2019.

O que me causa tristeza, é o descaso do município com a cultura. A prefeitura que se gaba de gastar milhões com shows musicais, muitos de qualidade duvidosa, nas areias das praias ou no Teatro Popular, despreza movimentos e eventos mais importantes e significativos que precisam de ajuda para a sua sobrevivência.

É o caso da centenária Academia Fluminense de Letras, que aguarda desde 2017 a liberação pelos  órgãos do município de minguados R$ 50 mil reais para restaurar suas antigas cadeiras, comprar um armário, um data show e pequenas coisas que seriam úteis para o seu funcionamento e melhor atendimento aos imortais.

A AFL é presidida pelo médico, ex-prefeito, ex-deputado e intelectual Waldenir Bragança, político de uma lisura invejável nesses tempos de Lava Jato.

Sharing is caring

Gilson Monteiro
Gilson Monteiro
Iniciou em A Tribuna, dirigiu a sucursal dos Diários Associados no Estado do Rio, atuou no jornal e na rádio Fluminense; e durante 22 anos assinou uma coluna no Globo Niterói. Segue seu trabalho agora na Coluna Niterói de Verdade, contando com a colaboração de um grupo de profissionais de imprensa que amam e defendem a cidade em que vivem.
|

15 thoughts on “Imortais ficam sem tostão em Niterói

  1. Nunca foi de conhecimento público que a academia Brasileira de letras recebesse subvenções do poder público.
    Também é absolutamente desconhecida a atividade da dita academia fluminense de letras.
    Num momento difícil para toda sociedade enfrentar a reforma da previdência e o arrocho fiscal imposto pelas três esferas de poder, necessário que gastos supérfluos sejam banidos e priorizados pelo poder público.
    Na ABL os imortais fazem da fé na cultura rateios mensais dos gastos com chás e outras despesas.
    Os gastos com carnaval num momento delicado para economia face à gravidade dos hopitas públicos, escolas municipais e serviços públicos em geral devem ser acompanhados pela sociedade através dos vereadores, ministério público e tribunal de contas.
    O que não se pode conseber é que associações de direito privado nas mais diversas faces de representatividade, seja pela cultura, esporte, lazer, educação e segurança pública passem a receber subvenção do poder público.
    A emérita academia poderia rodar a bolsa pela alta sociedade de Niterói para financiar suas atividades caso o rateio pago pelos nobres membros não sejam o suficiente para seu custeio.
    Aqui respeitosamente discordo do nobre e amigo jornalista Gilson Monteiro dessa prioridade para nossa cidade.
    Aliás deveríamos passar longe do pior período de nossa cidade quando entidades de representação social e missas eram as principais atividades desenchidas pelo prefeito e seus secretários municipais.
    Niterói agradece que os escassos recursos públicos sejam investidos em ações sócias em benefício das camadas menos privilegiadas da sociedade.
    Aliás como exemplo devemos homenagear os heróicos e silenciosos seres humanos que atuam nas noites e madrugadas de nossa cidade distribuindo alimentação através dos sopões e cobertores nas noites frias de inverno para nossa desprotegida população de rua que a cada dia aumenta vertiginosamente. Aliás a Função Leão XIII simplesmente foi extinta por Sérgio Cabral.

  2. A Prefeitura apoia a SOAMI que se apoderou de uma area publica (DPO DE ITACOATIARA), onde todos pagam seus impostos. Parece que a prefeitura so gosta de coisa que parece ser errada.

    1. A respeito do comentário do Sr. Dico publicado em 9/3/19, a SOAMI esclarece que ocupa área anexa ao DPO em decorrência de convênio assinado com o Comando do 12o BPM e portanto credita o comentário equivocado ao desconhecimento de tal fato. A Soami aproveita para esclarecer que o DPO de Itacoatiara, o primeiro instalado em Niterói, foi inteiramente construído e doado à Polícia Militar pela SOAMI. Devido a essa parceria com os diversos órgãos públicos, a SOAMI é uma das poucas associações de moradores reconhecidas tanto como de utilidade pública municipal como estadual e se coloca à disposição de quem quiser conhecer melhor e apoiar seu trabalho.

  3. “Cultura”, em sentido estrito, ao lado da Educação, em “sentido lato”, não têm sido tratadas como prioridade pela Prefeitura Municipal.

    Não somente a atual gestão, como também as passadas têm demonstrado pouco ou nenhum reconhecimento ao trabalho desenvolvido pelas diversas Academias existentes em Niterói que dependem da ajuda dos seus membros e da disposição dos seus Presidentes para se reunirem, permitindo o debate de ideias e a formulação de propostas.

    A destinação de um imóvel para o uso comum das entidades, de acordo com um calendário pré-fixado, representaria significativo avanço, pois proporcionaria dignidade às instituições e elevaria a nossa cidade a um diferenciado patamar.

    Levy Pinto de Castro Filho (Membro do Cenáculo Fluminense de História e Letras – Cadeira nº 19)

  4. Como diz um âncora da TV, é uma vergonha.A AFL,ter negado 50mil para sua reforma, enquanto os escândalos correm solto em nossa cidade.Dr.Waldenir Bragança,médico e acadêmico respeitado, que preside a Academia, não merecem isso.

  5. Acho eu que 50 mil devera fazer muita falta para a prefeitura poder pagar um aumento salarial de 50% dos vereadores e no mais,este valor nao da retorno(propina)quanto a contrataçao de shows,trio eletricos,etc…

  6. Muito bem dito !

    E Waldenir de Vraganca é homem de caráter, de reputação ilibada, dedicado e compromissado com tudo o que faz. Ele aa frente da centenária AFL honra a casa e o nosso Estado.

    Só não ficou claro porque se considerar que a prefeitura de Niterói deveria dar dinheiro a uma Aademia que é Estadual ?

  7. Isso é uma pouca vergonha, não só artistas duvidosos como trio elétricos super faturados e de origem duvidosa também com os seus veículos em péssimo estado de conservação e. Documentação hiper atrazada

  8. Acredito na politica adotada pela prefeitura de Niterói, no que se refere a Cultura, causa extranheza essa poatura do gestor, divulgar uma coisa e praticar outra. Dr. Waldenir Bragança é um ser humano inclivel, nao merece passar por esse constrangimento. Sr. Prefeito vamos reparar essa divida!!!

  9. Prezado colunista,
    Gilsom Monteiro
    Sou acadêmica pertencente à AFL, assim ,vivencio todos esses problemas que foram narrados em sua prestimosa coluna.
    Mesmo porque, sou Presidente do Cenáculo Fluminense de História e Letras, que completou 96 anos, quase tão antiga quanto a AFL .
    Contudo, nem sequer, temos uma sede ,que seja cedida em Comodato, em algum prédio, ou pequena sala onde possamos se comodatários da Prefeitura e que possamos abrigar todo o nosso acervo já quase centenário, muito rico culturalmente e transbordante de nossa História.
    Já estamos até mesmo, sendo chamados de Cenáculo Ambulante, ficando tudo às expensas e boa vontade da Presidente.
    Tudo um absurdo!
    Há uma completa inversão de valores.
    Com os meus maiores respeitos,
    Matilde

  10. O vergonhoso aumento de mais de 57% do subsídio dos vereadores deve ser vetado pelo prefeito. Com isso, a Câmara economizará R$ 1,8 mmilhões/ano. E que um terço disso seja repassado para o honradíssimo Waldenir Bragança para disponibilizar ao povo cultura e a organização de um conselho popular autônomo, independente, em caráter consultivo para opinar sobre a política urbana. Waldenir é um excelente nome a nos representar.

  11. Com raríssimas e honrosas exceções, Niterói, com a desculpa de Cidade Dormitório, no plano artístico cultural é uma vergonha. Teatro, cinema, shows (de qualidade) tem-se que atravessar a ponte ou recorrer à UFF, Reserva Cultural ou ao Teatro Abel que apresenta repetidamente apresentações de Ery Johnson, Sérgio Mallandro e coisas assim.
    De resto, uma lástima.

Comments are closed.

Menu