New here? Register. ×
×

Eleitor desencantado com as urnas no RJ

Escrito por Gilberto Fontes às 15:30 do dia 25 de junho de 2018
Sobre: Eleições suplementares
25jun

Sessão eleitoral pouco movimentada na eleição de domingo em Cabo Frio / Divulgação: TRE-RJ

As eleições suplementares em Cabo Frio e em Rio das Ostras, municípios da Região dos Lagos fluminense, realizadas no domingo (24/6) deram uma prévia do que poderá acontecer em outubro. Foi grande o desinteresse pelos candidatos às vagas de prefeito abertas com a cassação dos eleitos em 2016, mas que estavam incursos na Lei da Ficha Limpa. Em Cabo Frio a abstenção foi de 34,31% e os votos brancos e nulos somaram 47% dos válidos. Em Rio das Ostras, a abstenção foi de 14,5% e os brancos e nulos somaram cerca de 14% do número de eleitores que compareceram às urnas.

No início do mês (dia 03/06), a escolha de um novo prefeito de Teresópolis também não atraiu o eleitorado da cidade serrana fluminense. A abstenção foi 34,5% e os votos brancos e nulos somaram 22% do comparecimento às urnas.

Em Cabo Frio, o vencedor foi o médico Adriano Guilherme de Teves Moreno, o Dr. Adriano, da coligação “Mudança Verdadeira” (Rede/PCdoB), com 68,58% dos votos válidos. Já em Rio das Ostras, Marcelino Carlos Dias Borba, o Marcelino da Farmácia (PV), recebeu 50,24% dos votos válidos e será o novo prefeito. A diplomação dos eleitos deve ocorrer até 16 de julho, em datas a serem ainda definidas pelos juízes eleitorais dos municípios. Os mandatos das chapas vencedoras vão até 31 de dezembro de 2020.

Em Teresópolis, com somente 36,58% dos votos válidos, Vinicius Claussen, da coligação “Frente pela Mudança” (PPS/PRB), tornou-se o novo prefeito do município de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, na eleição suplementar de 3 de junho, tendo recebido apenas 22 votos a mais do que o segundo colocado no pleito,  Luiz Ribeiro (PMDB). A diplomação do prefeito eleito e de seu vice, Ari Boulanger Scussel Junior, irá ocorrer até o dia 29 de junho, em data a ser fixada pelo juiz Marcio Olmo Cardoso, da 38ª Zona Eleitoral. O mandato da chapa vencedora vai até o dia 31 de dezembro de 2020.

Os cassados

Em Cabo Frio, Marquinho Mendes teve o mandato cassado no dia 24 de abril deste ano por decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O tribunal entendeu que ele estava com os direitos políticos suspensos na ocasião das eleições de 2016 e que, portanto, a candidatura de sua chapa foi irregular. As contas do último ano de sua gestão anterior na prefeitura (2008-2012) foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ).

Em Rio das Ostras, o prefeito Carlos Augusto Balthazar (MDB) teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em abril deste ano. Os ministros do TSE se basearam na jurisprudência da Corte e também em entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a retroatividade de prazo de inelegibilidade previsto na Lei da Ficha Limpa.

Condenado por abuso do poder econômico político no pleito de 2008, Balthazar disputou o mandato na eleição de 2016 amparado por uma liminar. Mas a candidatura sub judice acabou indeferida pelo TSE.

Em Teresópolis, a eleição suplementar foi determinada pela Justiça Eleitoral depois que o prefeito Mário Tricano e seu vice Darcy Sandro Dias tiveram seus registros de candidatura das eleições 2016 indeferidos pelo TSE, logo depois da diplomação. Mas Tricano se mantinha no cargo graças a uma liminar do então ministro do TSE, Gilmar Mendes, que acabou sendo revogada depois que o prefeito desistiu do processo.

A impugnação da candidatura foi feita pelo Ministério Público, sob a justificativa de que Tricano foi condenado em 2008 por abuso de poder econômico.

Sharing is caring

Gilberto Fontes
Gilberto Fontes
Repórter do cotidiano iniciou na Tribuna da Imprensa, depois atuou nos jornais O Dia, O Fluminense (onde foi chefe de reportagem e editor), Jornal do Brasil e O Globo (como editor da Rio e dos Jornais de Bairro). É autor do livro “50 anos de vida – Uma história de amor” (sobre a Pestalozzi), além de editar livros de outros autores da cidade.
|
Menu